Bolsonaro elogia ditador Pinochet e ataca pai de comissária da ONU, torturado na ditadura

Por Ansa

O presidente Jair Bolsonaro atacou nesta quarta-feira (4) o pai de Michelle Bachelet, alta comissária de Direitos Humanos das Nações Unidas (ONU), após ela ter alertado para o "encolhimento do espaço democrático" no Brasil.

Bolsonaro publicou um texto em sua página no Facebook no qual acusa Bachelet, também ex-presidente do Chile, de seguir a "linha do Macron e se intrometer nos assuntos internos e na soberania brasileira".

LEIA MAIS
Sarampo já atingiu 2.982 pessoas em São Paulo; campanha continua para bebês
Embraer entrega primeiro avião multimissão KC-390 à Força Aérea Brasileira

"[Bachelet] Investe contra o Brasil na agenda de direitos humanos (de bandidos), atacando nossos valorosos policiais civis e militares. Diz ainda que o Brasil perde espaço democrático, mas se esquece que seu país só não é uma Cuba graças aos que tiveram a coragem de dar um basta à esquerda em 1973, entre esses comunistas o seu pai, brigadeiro à época", escreveu.

O pai da alta comissária, Alberto Bachelet, foi torturado e morto pelo regime do ditador Augusto Pinochet após ter se oposto ao golpe militar de 1973, que derrubou o presidente socialista Salvador Allende. Bolsonaro reforçou o ataque ao falar com jornalistas na saída do Palácio da Alvorada.

"Se não fosse o pessoal do Pinochet derrotar a esquerda em 1973, entre eles o teu pai, hoje o Chile seria uma Cuba. Eu acho que não preciso falar mais nada para ela. Quando tem gente que não tem o que fazer, vai lá para a cadeira de Direitos Humanos da ONU", disse o presidente.

Também vítima da ditadura chilena, Bachelet foi presidente de seu país entre 2006 e 2010 e 2014 e 2018, pelo Partido Socialista. Em 1º de setembro do ano passado, assumiu o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (Acnudh).

Antes do ataque de Bolsonaro, Bachelet havia criticado a morte de defensores dos direitos humanos no Brasil, as políticas do governo para facilitar o acesso a armas e o aumento da violência policial no país.

Essa não é a primeira vez que Bolsonaro declara simpatia a Pinochet, o que já lhe rendeu até uma reprimenda pública por parte do atual presidente do Chile, o conservador Sebastián Piñera. "Não compartilho muito do que Bolsonaro diz sobre o tema", disse o mandatário recentemente, acrescentando que algumas frases do líder brasileiro são "tremendamente infelizes".

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo