China proíbe desenho Peppa Pig: 'ícone da subcultura de juventude mal educada'

Por Metro Jornal

A plataforma chinesa de internet Douyin censurou o desenho animado "Peppa Pig". De acordo com o Global Times, jornal oficial da China, cerca de 30 mil episódios foram retirados da programação nesta terça-feira (1). A hashtag #PeppaPig também foi proibida.

Leia mais:
Facebook vai deixar que internautas limpem histórico de navegação
Capitã Marvel será uma das heroínas mais poderosas, diz produtor

"Peppa Pig tomou um rumo subversivo e sua popularidade viral ilustra uma sede de novidade e sátira que pode prejudicar a moral da sociedade", aponta o jornal.

O Global Times também fez alusão ao vício que as crianças desenvolvem e que a animação leva algumas delas a 'rosnar e pular em poças d'água'. "Tornou-se um ícone da subcultura de uma juventude muitas vezes mal educada, sem trabalho estável e ociosa", afirma.

Outros veículos também se pronunciaram contra a animação. Foi o caso d'O Diário do Povo, o veículo porta-voz do Partido Comunista. Eles denunciaram os efeitos perversos de uma "comercialização" de Peppa Pig. Existe uma preocupação relacionada à episódios falsos, divulgação de memes e paródias de humor negro ou diretamente pornográficas.

"Peppa Pig" é uma animação destinada ao público infantil, criada por Neville Astley e Mark Baker. Estreou em 2004 no Reino Unido e é exibida em diversos países. Chegou na China ainda na década passada e se tornou popular no país graças à dublagem em mandarim. A fama aumentou ainda mais no final de 2017, quando diversos internautas – incluindo famosos – passaram a publicar selfies com adesivos da porquinha.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo