Como são os laboratórios de áudio e vídeo da Netflix

Por Metro Internacional

A Netflix produz muito do seu próprio conteúdo original, como seus espectadores bem sabem. O que é mais "desconhecido" é o fato de que a Netflix, em geral, não fica muito em cima das filmagens do conteúdo como tal. Quase tudo é feito desta forma: a empresa coloca o financiamento, assina os acordos e vai fazer alguma outra sugestão, mas no final, a forma definitiva de cada produção é a decisão específica dos realizadores.

Mas um aspecto em que a Netflix tem algo a dizer é na parte tecnológica da produção. Então, em nossa excursão pelos escritórios de Los Angeles, nos Estados Unidos, levam-nos a um par quartos muito interessantes onde trabalham em áreas muito específicas de uma produção, tal como o vídeo e o áudio.

Estudio NetFlix FayerWayer

A primeira sala que vemos é aquela em que trabalham especificamente no processamento de imagens. Há uma câmera de rede em um pedestal (uma vez que falamos sobre as câmeras necessárias para filmar para Netflix) apontando para um cartão de cor e outra ferramenta onde a qualidade do HDR é "medido". E um monitor onde mostramos duas fotos de um episódio de Jessica Jones, um sem correção de cor e outro com a cor já modificada.

NetFlix FayerWayer

"Isso é tudo parte de um processo educacional", diz Jimmy Fusil, um dos homens encarregados destes laboratórios. "A Netflix não entrar no tiroteio, mas a empresa procurar entender e saber que há por trás das novas tecnologias de filmagem, de modo a "construir conversas com os criadores e ajudá-los a melhorar e proteger suas criações."

Uma das novas tecnologias de imagem é o HDR, ou faixa dinâmica em cores. Esta tecnologia é relativamente nova e o serviço já tem mais de 3 mil horas de conteúdo com HDR no catálogo. "O que queremos é entender como tudo isso funciona", diz Fusil, para se tornar uma espécie de consultor para apoiar a parte técnica.

Netflix FayerWayer

A segunda parte da turnê nos leva para a sala de áudio, onde há um exemplo de como você pode modificar um mix de áudio. Jessica Jones joga com a tecnologia de áudio Dolby Atmos, que para Netflix está tendo comportamento similar de adoção para TVs de 4K quando começaram a vender.

Em um programa como Jessica Jones, apenas o diálogo é gravado no conjunto de gravação. A maioria dos efeitos auditivos, da música ao som dos passos de um ator ou golpes e explosões (eles nos mostram um clipe onde há muitos) e que é onde entra uma mesa de som gigantesco onde a mistura final é regulada.

Netflix FayerWayer

A Dolby Atmos é uma nova tecnologia no processo de adoção, bem como o advento de 4K. Mas o que os usuários que ainda ouvem em estéreo é o HD ou TVs Full HD? Ou que você vê na Netflix em um telefone celular com fones de ouvido de média qualidade?

"Acredito que os criadores de conteúdo se preocupam tanto com 4K quanto com o Atmos, bem como se preocupam com apenas som estéreo e 720p. Nossa finalidade é que todos os usuários tenham uma experiência excelente do consumo, não importa o em qual dispositivo vêem ou que tipo de conexão têm. E fazemos tudo colaborativamente", analisa Jimmy Fusil.

"Queremos que os diretores sejam capazes de obter o máximo de suas câmeras e áudio, porque o processo de filmagem acabará por ser atravessado pelo processo de consumo. E nós temos que ajudar essa travessia acontecer em uma boa maneira", conclui.

Netflix FayerWayer
Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo