Arqueólogos dizem ter solucionado mistério sobre "múmia que grita" encontrada há mais de 100 anos

Pesquisadores fizeram exame de DNA na múmia de Ramsés 3º e disseram que o material encontrado indica que restos mortais são de Pentaur, filho do faraó que fez um complô para matá-lo.

Por BBC Brasil

Sua expressão de espanto e dor tem sido a fascinação dos arqueólogos, que há mais de um século tentam resolver o enigma da chamada "múmia que grita": quem era este homem e por que seu corpo foi embalsamado com o rosto assim?

Nos últimos dias, um grupo de arqueólogos egípcios, liderados por Zahi Hawass, disse que a múmia, encontrada em 1881 e tecnicamente conhecida desde então como "homem desconhecido E", era realmente Pentaur, o filho que conspirou contra o pai, o faraó Ramsés 3º, para ficar com o trono.

"Extraímos o DNA da múmia de Ramsés 3º, descoberta em 1886, e comparamos com o do 'homem desconhecido E', e os resultados revelaram que o primeiro era pai do segundo", disse Hawass em um documento enviado à BBC.

"Isso faz parte de uma investigação que estamos fazendo há muitos anos, chamada Projeto de Múmias Egípcias, e que revelou não só a identidade, mas também as razões de seu estado."

100090856gettyimages918278484-9491cd584bb014a030f5b33bc31fc569.jpg A múmia foi colocada em exibição neste ano no Museu Egípcio do Cairo / Getty Images

Até agora, nenhuma outra autoridade científica confirmou as descobertas de Hawass e de sua equipe.

Na semana passada, a "múmia que grita" começou a ser exibida no Museu Egípcio, no Cairo.

O complô

Além de revelar o parentesco da múmia com Ramsés 3º, os pesquisadores, com a ajuda de papiros do Museu Egípcio de Turim, na Itália, asseguram ter desvendado a trama de traição e conspiração que ocorrida cerca de 3 mil anos atrás nas altas esferas de poder do império egípcio.

"Estava claro que Ramsés 3º havia sido vítima de um complô por parte seu filho Pentaur e sua mulher, mas não se essa era a causa de sua morte", disse Hawass.

O pesquisador relata que quando a "múmia que grita" foi encontrada, em 1881, houve outros detalhes que chamaram a atenção dos arqueólogos – além, é claro, do espanto apresentado por sua expressão.

E ficaram no ar várias perguntas: por que esse homem havia sido enterrado no lugar exclusivo para reis, mas ao mesmo tempo foi vestido com roupas que os egípcios consideram impuras?

100096487gettyimages468201378-f4ab50733cbe36e60d52afc813c3fd67.jpg Os pesquisadores buscaram papiros no Museu Egípcio de Turim para descobrir mais detalhes do complô de Pentaur contra o pai, Ramsés 3º / Getty Images

"Os membros da realeza eram sepultados depois de um requintado processo de mumificação, e ficavam enrolados em uma delicada manta de linho. Mas a 'múmia que grita' foi enterrada sem esse processo e envolta em pele de ovelha", explica ele.

O Projeto de Múmias Egípcias se dedicou a escanear ambas as múmias e estabeleceu duas coisas. Uma, que Ramsés 3º havia sofrido um sério ataque com faca que destroçou sua coluna cervical. E a outra, que a "múmia que grita" apresentava sinais de ter sido enforcada.

"Nos papiros que relatavam a conspiração, chamada conspiração do harém, se assinalava que Pentaur havia sido condenado à forca e foi surpreendido quando ia executar o complô", diz Hawass.

©
Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo