Coleta de recicláveis aumenta, mas parte acaba descartada durante pandemia

Por Metro Jornal com Estadão Conteúdo

A coleta de resíduos recicláveis cresceu 28% no Brasil em maio, apenas levando em conta o lixo doméstico. O dado é da Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe), divulgado pelo jornal O Estado de S. Paulo.

Apenas na capital paulista, a Prefeitura registrou um crescimento de 39% na coleta seletiva de resíduos apenas em junho, em comparação com o mesmo período de 2019; até o dia 23, foram recolhidas 6 mil toneladas de materiais recicláveis.

LEIA MAIS:
‘Vamos esperar uma semana’, diz Covas sobre reabrir restaurantes e salões de beleza
Cidade de São Paulo avança para fase amarela de flexibilização da quarentena

Ao mesmo tempo, a coleta de lixo em vias públicas caiu aproximadamente 30%; os números estão relacionados à menor geração de resíduos nas ruas e maior nas casas durante o período de quarentena.

Entretanto, embora os dados possam sugerir um aumento do hábito de reciclar no país, o Brasil segue reciclando apenas 4% do total de seus resíduos; um trabalho feito, em maior parte, informalmente.

Segundo o presidente da Abrelpe, Carlos Silva Filho, a quarentena também introduziu outro complicador na equação: uma diminuição na operação das centrais de reciclagem. "[O aumento da coleta de recicláveis] é fruto desse novo perfil de compra online, de embalagens para os alimentos, do delivery", diz.

"Infelizmente, nós observamos esse aumento, mas isso não se transformou em reciclagem porque muitas centrais no Brasil tiveram a atividade suspensa e todo material coletado foi para aterros e lixões."

Analisar a produção de lixo pela população brasileira também ajuda a identificar mudanças no padrão de consumo durante a pandemia. No boletim, a Abrelpe também aponta uma queda de 9% no total da geração de resíduos sólidos urbanos, em comparação com 2019.

"A gente levantou que a questão da retração econômica, a perda do poder aquisitivo da população, afeta diretamente essa situação em que nós chegamos da geração de resíduos sólidos. Com menor poder aquisitivo, com menor disponibilidade financeira, houve menor consumo e menor descarte", explica Silva.

Loading...
Revisa el siguiente artículo