Mãe sai de coma profundo ao sentir calor do corpo do filho recém-nascido

Por Metro Jornal

Amanda Cristina Alves da Silva, de 28 anos, entrou em coma logo após o parto e por mais de 20 dias não respondeu a nenhum estímulo externo, sensorial ou auditivo.

Ela sofre de epilepsia crônica e havia deixado de tomar os remédios de controle por conta da gravidez, já que o medicamento pode provocar má formação fetal.

A falta de remédio começou a provocar crises de convulsões periódicas.Em umas dessas crises, já com quase 37 semanas de gravidez, a equipe médica resolveu fazer uma cesárea de emergência para evitar que o bebê sofresse. O bebê nasceu bem, com 2,1 kg, e foi para a UTI neonatal.

Amanda sequer viu o filho. Os médicos tentaram reanimá-la da sedação, mas ela não voltou, entrou em coma.“Amanda abria os olhos, mas não respondia aos comandos. A gente a chamava pelo nome e ela não acompanhava com o olhar. A gente aplicava estímulos de dor e ela não reagia. Os exames mostravam atividade cerebral, mas ela não respondia a nada, nem mesmo à voz dos familiares. Não mexia braços, pernas, nada”, explicou o médico Alencar Junior.

Esgotados todos os recursos médicos, foi uma enfermeira que teve a ideia de fazer uma última tentativa para reanimá-la. Com o consentimento da equipe médica, resolveu colocar o bebê no colo da mãe na UTI. E o que aconteceu surpreendeu a todos: quando o bebê Victor Hugo foi colocado no colo da mãe, os batimentos cardíacos dela começaram a ficar mais fortes e lágrimas saíram dos olhos de Amanda. E o mais impressionante, seus seios começaram a vazar leite, mesmo após 23 dias do parto.

No dia seguinte, Amanda começou a apresentar sinais de melhora e progressivamente foi recuperando a consciência e retomando o movimento dos braços e pernas. Vinte dias depois teve alta, sem sequela alguma.

“Não temos uma resposta científica para o que ocorreu e não esperávamos uma recuperação tão rápida da Amanda. Vamos estudar a importância desse atendimento humanizado e a importância do contato pele a pele entre mãe e filho”, afirmou Fabíola Sá, enfermeira da UTI, que teve a ideia que salvou a mãe.

O caso ocorreu em Fortaleza, no Ceará, e foi noticiado pela revista Veja.

 

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo