Dominar temas atuais é essencial para quem vai encarar o vestibular

Por lyafichmann
Protesto organizado por manifestantes do MPL (Movimento Passe Livre) no Grajaú, na zona sul de SP | Rodrigo Capote/UOL/Folhapress Fatos cotidianos nacionais e internacionais devem ser compreendidos de maneira ampla, com razões e consequências | Rodrigo Capote/UOL/Folhapress

É comum que grandes vestibulares se pautem por temas da atualidade. Seja na forma de questões ou como texto de referência para a prova de redação, o fato é que o estudante possivelmente irá se deparar com alguns dos tantos assuntos em pauta no mundo.

Dos nacionais, como a onda de protestos pelo país, Copa do Mundo, epidemia de dengue e crise no abastecimento de água em São Paulo, aos internacionais, como os problemas econômicos na Argentina, e os conflitos na Ucrânia e na Faixa de Gaza.

“Indicamos para nossos alunos que estejam sempre antenados nas mídias impressa, televisiva e internet, e que além de saber sobre a notícia que conversem com seus colegas de sala para que percebam as outras impressões e interpretações dos assuntos”, orienta Anderson Gisoldi, coordenador pedagógico do cursinho pré-vestibular Singular Anglo.

Vale, e muito, se preparar para encarar qualquer um deles, alerta o professor, pois os  assuntos podem cair em qualquer matéria. “Em geral são mais explorados em história e na redação, mas podem aparecer também em questões de biologia ou química, por isso fazemos testes semanais de atualidades.”

Interdisciplinaridade

Como hoje os vestibulares utilizam muita interdisciplinaridade e interpretação de texto para todas as áreas, Gisoldi chama a atenção para a importância de saber um pouco de tudo. “É preciso ter um panorama geral dos temas.”

E segundo ele, ir além do raso é importante. “Precisa entender os porquês e as consequências dos eventos em questão”.

Diferentes contextos

O estudante deve saber também assinalar semelhanças e diferenças entre os contextos, indica o professor de História, Rodrigo  Abrantes. “Sobre os protestos, por exemplo, é preciso entendê-los nos planos externo e interno”. Ou seja, é preciso identificar as motivações e os desdobramentos de cada um.

“Na chamada Primavera Árabe e no Conflito na Síria, de que forma essas questões alteraram a balança do poder, fazendo ressurgir temáticas da Guerra Fria, como o retorno das tensões entre EUA e Rússia”. Além disso, completa Abrante, no plano interno, ter desenvoltura para argumentar sobre as “Manifestações de Junho”, com o contorno que grupos como os black blocs deram ao movimento.

temas-atuais

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo