Como incluir deficientes físicos na escola regular?

Por Carolina Santos
Aluno cadeirante precisa tirar tanto proveito da instituição quanto os outros, inclusive na aula de educação física | Stock.xchng Aluno cadeirante precisa tirar tanto proveito da instituição quanto os outros, inclusive na aula de educação física | Stock.xchng

Ao entrar em um ambiente devidamente preparado para receber cadeirantes, logo procuramos por uma rampa. Mas a inclusão de crianças com deficiências físicas e/ou limitações motoras vai muito além disso, especialmente na escola. Segundo a cartilha do MEC (Ministério da Educação), o cadeirante não pode estar inserido em um mundo à parte para que desenvolva as habilidades motoras. “É preciso que a criança receba os benefícios tecnológicos e de reabilitação em constante interação com o ambiente ao qual ela pertence”, diz o texto.

Assim, o movimento de incluir alunos com deficiência física na escola regular tem, cada vez mais, solicitado que o sistema educacional se adeque a essa demanda sem perder de vista que a escola é o lugar em que todos, sem exceção, podem aprender.

“Encaminhamos os alunos à escola regular não para que permaneçam lá, simplesmente, mas para que possam aprender”, afirma  Roberta Galasso, coordenadora pedagógica da AACD (Associação de Assistência à Criança Deficiente). Segundo ela, a classe acaba integrando o colega cadeirante com naturalidade. Educar para crescer logo

Loading...
Revisa el siguiente artículo