Churros conquistam mais espaço nos restaurantes paulistanos

Por fabiosaraiva
Fotos: Divulgação Churros com doce de leite do Pobre Juan | Divulgação

Na Espanha, o churro está certamente entre os doces mais populares nos restaurantes. Lá, onde sua receita padrão foi desenvolvida, o quitute cilíndrico e compridinho é consumido tradicionalmente sem recheio, assim como em outros países onde se enraizou, como o México e a Argentinha. Uma curiosidade é que apenas no Brasil e no Uruguai adquiriu-se o costume de recheá-lo. Aqui, há até quem pense que o jeito de vender churros em carrocinhas de praça, com aquele dispositivo de pressão que injeta o doce de leite no centro da massa, seja o modo tradicional. Só que não. E o brasileiro vai ainda mais longe: na capital paulista, por exemplo, é cada vez mais comum encontrar churros em formatos diversos e com recheios ou caldas de sabores variados.

 

Origens

A origem da receita é polêmica. Dizem alguns pesquisadores que o modo de preparo original nasceu na China, porém adquiriu cultura e popularidade depois de disseminada na Europa por navegadores portugueses. Outra versão dá crédito a pastores espanhóis. Uma das casas de churros mais conhecidas foi fundada em 1894 na Espanha. E continua lá, no número 11 da Pasadizo San Ginés, em Madri.

 

Fotos: Divulgação Os churros do Torero Valese | Divulgação

Como servir

O preparo original da massa segue uma só cartilha: farinha, leite e ovo misturados. Ela é então moldada em formato cilíndrico e frita. Depois, polvilhada com açúcar e canela. A simplicidade da receita dá margem para inovações. Recheá-lo com doce de leite ou chocolate é a variação mais comum. Mas há versões que trazem chocolate com pimenta, doce de leite com rum e geleia de goiaba no recheio.

 

Fotos: Divulgação Porção de churros do La Churreria | Divulgação

¡Hay Churros!

Faz um mês que o publicitário Celso Carlos Costa abriu sua La Churreria, e o lugar já vive apinhado de gente. “Minha vontade era reproduzir aqui a tradição castelhana”, diz. Ele espera que os churros adquiram status de carro-chefe. No menu: a porção de churros fininhos, para molhar no chocolate, e o “relleno”, crocante por fora e macio por dentro. Av. São Gabriel, 549, Itaim, tel.: 2619-2054.

 

Pobre Juan

Oferece um leque de sobremesas feitas com o doce de leite Havanna, um dos melhores da Argentina. Os churros entram nessa categoria do menu. Sevidos em taça de martini preenchida com chocolate, chegam à mesa dois doces de receita tradicional espanhola mergulhados na calda. R. Tupi, 979, Higienópolis, tel: 3825-0917.

 

Fotos: Divulgação No Portucho, churros vêm com potinho de doce de leite | Divulgação

Portucho

A sobremesa chega em porção no prato, acompanhada de um potinho de doce de leite. A textura da massa, bem crocante e sem resquícios de óleo, é o diferencial aqui. “Pudera, perdi muitos ingredientes com os testes para chegar a esse resultado”, diz o restauranteur Rodrigo Orsetti. R. Pássaros e Flores, 239, Vl. Olímpia, tel.: 3045-8159.

 

Torero Valese

Apaixonado pela cozinha espanhola, o chef Juliano Valese não poderia deixar de fora do menu de sobremesas os churros. Hit entre as prefências da clientela, o doce é servido em porção de formato mini com calda de nutella, doce de leite e framboesa, acompanhado de sorvete de creme. R. Horácio Lafer, 638, Itaim, tel.: 3168-7917.

 

Fotos: Divulgação Sorvete acompanha churros no Gràcia | Divulgação

Gràcia Bar

Com a assinatura do chef espanhol José Luis Candenas, a receita simples e correta faz do “churros catalão”, como é chamada, a sobremesa mais pedida do cardápio. No Gràcia, o doce é servido com doce de leite e sorvete de creme. R. Coropés, 87, Pinheiros, tel.: 3034-1481.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo