Como lidar com o ex nas redes sociais

Bloquear? Stalkear? Manter a ligação? Entenda como você pode resolver a questão

Por Luisa Restelli

Quando um relacionamento termina, com frequência existe uma questão em como lidar com o ex nas redes sociais. Quando se trata de redes sociais, muitos benefícios surgem mas também um mar de novas dificuldades e reflexos de padrões de comportamento.

Existem infinitas possibilidades de contexto de término, incluindo aqueles que terminam bem e seguem amigos e amigas com tranquilidade. Mas, e quando o fim é difícil, sofrido e repleto de machucados?

Muitos deixam de seguir o outro ou bloqueiam para evitar sentir a dor ao deparar com alguma foto ou lembrança. Outros se mantém observando a vida do ex parceiro, entrando em contato – ou até mesmo anonimamente – quando sente necessidade.

Em alguns casos, esse comportamento engatilha sofrimentos e autossabotagens que mantém a ligação ao outro de forma pouco sadia. Como os contextos são diversos e é um tema de grande relevância, visto que afeta a vida da maioria das pessoas, vou aqui levantar algumas questões para serem refletidas por cada um.

Para que manter seu ex nas redes sociais?

O primeiro questionamento que levanto é:

Para que você quer saber da vida de sua ou do seu ex?

Não existe resposta certa ou errada. Não se julgue. Apenas responda com honestidade para si mesmo o “para que” dessa questão. Isso já vai te dar uma pista se esse está sendo um movimento saudável e natural pra você ou não.

Então, se pergunte:

  • Seguir meu ex nas redes sociais me ajuda ou me faz bem?
  • É um movimento harmônico pra mim, para o outro e para as nossas vidas?
  • Estou respeitando o espaço e a saúde emocional da minha ex parceira ou do ex parceiro?

Ao fim de uma relação, alguns acordos de proximidade e afastamento são feitos a fim de possibilitar uma maneira saudável para se superar tal luto.

Você está respeitando esses limites, mantendo cuidado com o espaço emocional do outro e o seu?

É preciso tanto questionar a maneira como estamos lidando com nós mesmos, nos cuidando e respeitando, quanto com o outro também.

  • Como tem sido respeitar as suas necessidades de espaço e as necessidades do outro?
  • Como tem sido cuidar de suas necessidades emocionais e ser cuidadoso(a) com o outro?

Se existe mal estar no contato mas, ao mesmo tempo, dificuldade em parar de olhar o ex nas redes sociais, sugiro mais alguns questionamentos:

  • O que você busca, no seu mais profundo?
  • Que parte de você está buscando isso?
  • O resultado te alimenta de que maneira?
  • Está sendo produtivo e saudável em seu processo?
  • Há autossabotagem ou o alimento de um lugar de vítima?
  • Para quem você está entregando seu poder pessoal?
  • Como tem estado sua autoestima e autoimagem?
  • Você tem deixado nas mãos dos outros a validação de quem você é?
  • Você se qualifica a partir do olhar dos outros pra você?

Avalie a maneira como você se enxerga, se respeita e se cuida.

O que você ganha ao fazer algo que lhe machuca? Avalie se tem algum ganho inconsciente, mesmo que em direções negativas.

A cura se relaciona com o amor e com a compaixão. Comece por você mesmo. Identifique se existe dentro de si uma dificuldade em alcançar esse lugar amoroso consigo mesmo e de onde vem essa dificuldade.

Trabalhe, então, neste ponto original ou na descoberta dele. Abra seu coração para si mesmo, e então, poderá ser possível abrir seu coração para o outro, harmonizando essa história dentro de si.

Não podemos mudar o passado, mas podemos nos cuidar hoje para transformar o presente.

+ Tudo que você quer saber sobre signos: características, elementos e mais.

+ O que você espera para sua vida em 2020? Veja previsões da Astrologia, Numerologia e Tarot para você.

+ Veja quais são as previsões para os signos em 2020 e como aproveitar as oportunidades.

+ Quer entender melhor sua personalidade? Leia o significado da combinação do seu signo com ascendente.

Luisa Restelli

Psicóloga, Psicoterapeuta Corporal e Consteladora Familiar Sistêmica. Realiza atendimentos individuais e de casal no RJ e ministra grupos terapêuticos, workshops e palestras pelo Brasil.

[email protected]

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo