Autoestima como instrumento de qualidade de vida

Valorização pessoal passa por três princípios fundamentais: amor-próprio, poder pessoal e alegria

Por Ceci Akamatsu

Cuidar da autoestima  é como cuidar do solo. Assim como um solo bem fértil depende do equilíbrio e manutenção de seus nutrientes, o mesmo acontece com a autoestima, que se baseia em três princípios fundamentais que devem estar em equilíbrio: amor-próprio, poder pessoal e alegria. A qualidade de tudo em nossa vida está relacionada à autoestima. Duas pessoas podem passar exatamente pelas mesmas experiências, mas aquela que tiver melhor autoestima vivenciará as situações de maneira mais leve, produtiva e plena. Cuidar dela representa um fator crucial para melhorar qualquer situação ou área da vida.

A atenção constante aos três pilares fundamentais tem relação direta com uma autoestima fortalecida.  Entenda melhor a seguir.

Amor-próprio

Nosso amor-próprio está relacionado  à capacidade de autoaceitação, autoacolhimento e autoperdão. Quando temos amor-próprio em excesso, a tendência ao egocentrismo é forte. Quando está em falta, por sua vez, conduz à falta de valorização e delicadeza com nós mesmos.

É preciso perceber se a maneira que cuidamos de nós não está muito dura. Afinal, estamos sempre nos julgando, comparando e cobrando. Para o que você mais olha: para as faltas e falhas – falta de amor-próprio – ou para as suas qualidades e tudo o que você é e já conquistou – amor-próprio em equilíbrio?

Poder pessoal

Já o nosso poder pessoal está relacionado à coragem, força de vontade e ao poder de realização e conquista. Em excesso, promove a rigidez, aridez, dureza, enquanto sua falta denota inércia, falta de iniciativa, força e ação.

É comum na nossa sociedade valorizar mais nossa capacidade de ação do que a capacidade de olhar para dentro. Por isso, tendemos a exagerar o poder pessoal e deixamos de lado o amor-próprio, considerando-o muitas vezes como uma fraqueza.

 

Alegria: união do amor-próprio com o poder pessoal

Vale ressaltar que a maneira como manifestamos os três princípios base da autoestima costuma ser reflexo dos modelos absorvidos em nossa infância, através dos referenciais paterno e materno. Olhar com mais atenção e de forma neutra – sem julgamentos – sobre esse período da vida ajuda a compreender melhor nossos comportamentos, bem como falta e excessos em relação aos três pilares da autoestima. A partir desta percepção, podemos trabalhar a harmonização das mesmas, seja utilizando ferramentas terapêuticas ou buscando auxílio de um terapeuta

Temos um teste para ajudar você a identificar faltas e excessos em relação a autoestima:

Depois de identificá-los, você pode realizar uma meditação para ajudar a limpar padrões que estejam prejudicando sua autoestima:

Ceci Akamatsu

Terapeuta Acquântica, faz atendimentos presenciais no Rio de Janeiro, em São Paulo e à distância. É a autora do livro Para que o Amor Aconteça, da Coleção Personare. 

[email protected]

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo