Saúde bucal: 6 dicas para manter o seu sorriso sempre lindo

Cuidar da saúde bucal vai além da estética. Por isso, saiba como escolher um profissional de qualidade

Por Metro Jornal São Paulo

Muitas pessoas acham que cuidar da saúde bucal é apenas uma questão de estética, mas isso não é verdade. Uma má saúde bucal pode levar a uma série de problemas que, inclusive, podem afetar outras regiões do corpo: uma mordida desalinhada, por exemplo, pode provocar enxaquecas, dores no pescoço e até na coluna. Por isso, saber escolher bons profissionais, e que sejam de confiança, é muito importante.

O secretário do Conselho Regional de Odontologia de São Paulo, Marco Antonio Manfredini, dá algumas dicas e tranquiliza: no Brasil, a qualidade do ensino odontológico é muito alta, “então nós temos a segurança de termos, na maioria, profissionais muito bons, principalmente no Estado de São Paulo”.

Para ajudá-lo a escolher um bom profissional, separamos algumas dicas a seguir. Confira!

1. Atenção à primeira consulta
Além das condições do local, na primeira consulta o paciente deve ficar atento para a atuação do profissional. Manfredini afirma que o bom odontologista faz um exame clínico já na primeira consulta para avaliar a saúde bucal do paciente – procedimento durante o qual é ideal que o dentista vá explicando tudo o que está fazendo –, e pedir exames complementares se necessário. Depois do exame, esse profissional conversa com o paciente e tenta reunir seu histórico clínico, que não necessariamente está relacionado à boca. “É importante o odontologista saber se o paciente tem diabetes, por exemplo, porque isso vai influenciar a saúde da boca dele. E tem a questão da empatia, que é algo extremamente pessoal e subjetivo, mas muito importante para que o paciente confie no profissional.”

2. Verifique o registro no Conselho Regional
Manfredini afirma que a primeira precaução a se tomar na hora de escolher um odontologista é verificar, sempre, se ele está inscrito regularmente no Conselho Regional do Estado onde atua. Isso evita que o paciente corra o risco de se consultar com um “falso dentista”, ou seja, alguém que diz ser dentista, mas não tem nenhuma formação na área.

3. Observe se o profissional sugere tempo de retorno
O tempo de retorno para o consultório do odontologista varia muito de caso para caso. Manfredini explica que cabe ao especialista definir quando o retorno deve ser feito dependendo de como está a saúde bucal do paciente e se ele tem mais ou menos propensão de desenvolver alguma doença ou condição na boca. Questione o profissional que não recomenda um período de retorno.

4. Confira a experiência do profissional
Ao escolher um profissional, e fazer as verificações anteriores, Manfredini recomenda consultar qual foi a faculdade de formação e quantos anos de experiência o odontologista em questão tem. “Isso pode ser feito antes da primeira consulta, por telefone mesmo”, afirma.

5. Aproveite o convênio
Se você tiver plano de saúde e preferir se consultar com um profissional particular, não tenha medo de utilizar a lista de referência de profissionais do convênio. Segundo Manfredini, a chance de ter odontologistas não registrados na lista ou de má qualidade é pequena. Mas, antes de marcar a primeira consulta, tente encontrar recomendações de outros pacientes.

6. Repare no estado do consultório
Uma vez marcada a consulta, ao chegar no consultório é importante prestar atenção na apresentação e condições do local, bem como no estado e higiene dos aparelhos. “Reparar nos procedimentos de biossegurança também é essencial, que são os cuidados na manipulação dos equipamentos tomados para evitar complicações durante os procedimentos.”

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo