De bike, domingo é igual segunda

Por Carolina Santos

colunista cleber ricci-andersonFora todas as normas e dicas para se pedalar pela cidade, a ideia principal do Guia Bike na Rua, escrito por mim em 1997, é a de evitarmos as avenidas e buscarmos os caminhos mais seguros pelo centro dos bairros. Baseados nisso, eu e Arturo Alcorta desenvolvemos no mesmo ano a ciclo-rede do vale do rio Pinheiros, que originou as ciclorrotas (do centro expandido e zona leste). Hoje, somam-se a elas as ciclovias que felizmente multiplicam-se.
Enquanto não sai o aplicativo para web e smartphones, veja um mapa, entenda por onde as ciclovias passam e por quais ciclorrotas você vai acessar e depois sair delas.
Outra dica do Guia é a de reservar um domingo para fazer o caminho que será utilizado durante a semana. Com muita calma, perceba todos os detalhes de travessias de cruzamentos e escolha o melhor itinerário desse emaranhado de caminhos que alternam ciclovias e ciclorrotas com trânsito compartilhado.
Para ambos, a regra de trânsito é a mesma para todos: veículos lentos à direita. É simples! Quando estiver em uma ciclovia, mantenha-se sempre à direita, mesmo que pense que é o campeão do Tour de France. Alguém sempre pode ultrapassá-lo. Quando estiver com mais alguém, nunca pedale ao lado dessa pessoa. Estarão barrando a passagem de quem vem por trás. ISSO SERVE TAMBÉM PARA AS CICLOFAIXAS DE LAZER AOS DOMINGOS.
No fim de semana passado, saímos pedalando da Aclimação eu, minha mulher e uma amiga. Subimos a rua mais tranquila e menos movimentada (uma ciclorrota) até a nova ciclovia no alto da rua Vergueiro, próximo à estação Ana Rosa do Metrô, e fomos ininterruptamente por ciclovias passando pela praça da Sé, Anhangabaú, estação da Luz, av. Rio Branco, sala São Paulo, tudo muito rápido e com muita tranquilidade. É claro que as ciclovias ainda não são perfeitas e a sinalização ainda é falha, mas a prefeitura precisa da nossa opinião para melhorá-las. O importante é que temos agora o nosso espaço. O nosso é o de quem quiser! Quiser agilidade, saúde, economia de tempo e dinheiro. Chegamos rápido a tantos pontos em São Paulo. O melhor é que, mesmo num dia de semana, podemos chegar mais rápido. Já pensou?
Para quem acha que as ciclovias estão subutilizadas, é só esperar. Em 2012, na av. Eliseu de Almeida, sem ciclovia, circulavam 560 ciclistas/dia. Ontem, contamos 888 – 53% de aumento para uma ciclovia ainda incompleta. Av. Faria Lima sem ciclovia: 300 ciclistas/dia. Hoje: 1740 – 480% de aumento.

Cleber Ricci Anderson, 47 anos, é especialista em bike fit (ajuste postural) na Anderson Bicicletas, ex-ciclista da Seleção Brasileira de Ciclismo, pioneiro em MTB no Brasil, autor do Guia Bike na Rua e do projeto Ciclo-Rotas (1997).

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo