De pai pra filho e cada vez melhor

Por fabiosaraiva

bruno-caetanoNo meio rural, com frequência as pequenas propriedades passam de pai para filho e este, uma vez no comando, segue repetindo o modelo usado até então. O risco dessa prática é cair na estagnação e ser colocado para trás pela concorrência.

Com Heraldo não foi diferente. Aos 45 anos de idade e cerca de 30 de experiência no campo, ele herdou o sítio da família, no interior de São Paulo, e passou a cuidar da produção de café.

Àquela altura, Heraldo estava ciente de que precisava ampliar seus conhecimentos, pois queria dar novo fôlego ao seu negócio. Ele admite que, apesar de ter crescido vendo o pai na lavoura, ainda não tinha bagagem suficiente para colocar seu empreendimento em patamar mais elevado. Segundo ele, tudo era feito de forma muito primária.

Heraldo procurou orientação do Sebrae-SP para dar a guinada que pretendia. Foram feitas mudanças na parte administrativa, na produção e na estratégia de vendas. Adquiriu maquinário novo e todo o processo, da colheita ao ensacamento, pôde ser realizado no próprio sítio.

Dois anos depois, a situação já estava bem diferente. De acordo com Heraldo, o principal ganho foi poder produzir cafés especiais e exportar. Hoje, além de vender no mercado interno por meio de parcerias com associações regionais, seu café chega à Europa. Heraldo conta que antes não havia a preocupação de separar os grãos e todos, com e sem defeito, iam para a mesma saca. Foi a partir da seleção dos melhores que sua produção teve condições de ultrapassar as fronteiras.

A lição que fica do relato de Heraldo é que a acomodação, seja no campo ou em qualquer outro negócio, é uma praga a ser combatida. Se ele tivesse se limitado a apenas replicar o modelo antigo, nunca teria ido adiante. O produtor rural buscou conhecimento, incorporou novidades e viu seu mercado crescer. Teve consciência e humildade de que precisava de ajuda e foi buscá-la.

Qualificação, boas práticas de gestão e inovação devem sempre estar presentes em todo empreendimento. É assim que se mantém a competitividade.

Escreva para mim ([email protected]) e conte sua história. Seu exemplo ou dúvida pode ser um ótimo ponto de partida para falarmos de assuntos de interesse geral.

Bruno Caetano é diretor superintendente do Sebrae-SP e mestre e doutorando em Ciência Política pela Universidade de São Paulo. O Sebrae-SP é uma instituição dedicada a ajudar micro e pequenas empresas a se desenvolverem e se tornarem fortes. Saiba mais em www.sebraesp.com.br

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo