Erupção do fim do mundo: cientistas alertam sobre maior atividade no supervulcão Yellowstone

Por Metro Internacional

Desde o dia 8 de fevereiro, uma nova onda de terremotos no Parque de Yellowstone, onde o supervulcão do mesmo nome está localizado, mantém em alerta a comunidade científica.

Em menos de 10 dias foram registados pelo menos 200 sismos de pequena magnitude e os especialistas alertam que os números podem aumentar.

Não é a primeira vez que uma onda de terremotos levanta alertas e leva a comunidade científica a se perguntar se estamos em uma contagem regressiva para uma erupção que afetaria o mundo todo e poderia baixar as temperaturas globais a até 10° C.

No verão de 2017, por exemplo, houve mais de 2 mil terremotos em apenas 4 meses, segundo o Daily Mail.

"O enxame atual começou em 8 de fevereiro, com alguns eventos ocorrendo por dia", de acordo com o USGS, uma entidade que mede a atividade sísmica.

"Em 15 de fevereiro, as taxas e magnitudes dos sismos aumentaram consideravelmente, e a partir da noite de 18 de fevereiro foi registrado o maior terremoto,  de magnitude 2.9, a 8 km (5 mi) abaixo da superfície ".

Vale ressaltar que o vulcão Yellowstone não entra em erupção há mais de 70 mil anos, o que nos deixa ainda mais preocupados com as consequências que isso poderia trazer ao nosso planeta.

A caldeira do vulcão mede 55 por 72 quilômetros e está localizada no canto noroeste do Wyoming, onde a maior parte do parque está localizado.

De acordo com um estudo da National Geographic, a próxima grande erupção de Yellowstone provavelmente ocorrerá em uma das três zonas de falhas paralelas que ficam na direção norte e noroeste do parque.

Na última erupção do Yellowstone acredita-se que suas cinzas bloquearam o sol entre seis e oito anos, o que causou um período de resfriamento global que durou cerca de mil anos.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo