Dia Internacional da Tolerância Zero à Mutilação Genital Feminina: prática ainda afeta 200 milhões de mulheres no mundo

Por Metro Internacional

Kedija, de 25 anos, teve seus órgãos genitais externos removidos e sua vagina suturada apenas sete dias após o seu nascimento. Segundo a Associated Press, ela viveu com dor toda a sua vida.

"Não conseguia aguentar a urina por muito tempo", disse ela à Associated Press. "Eu me isolei e não socializei por causa disso. Mais tarde, quando a menstruação começou, como o buraco era muito pequeno, a dor piorou ainda mais. E então me casei e foi doloroso fazer sexo com meu marido". Três partos mais tarde, ela foi diagnosticada com complicações renais quase letais.

Na Etiópia, na região desértica de Afar, nove em cada dez mulheres são submetidas a mutilações genitais femininas, muitas antes do primeiro aniversário.

Ativistas comemoraram na terça-feira, 6 de fevereiro, o “Dia Internacional de Tolerância Zero com Mutilação Genital Feminina” na tentativa de erradicar a prática. Quase 200 milhões de mulheres em todo o mundo vivem com seus efeitos, de acordo com as Nações Unidas.

O governo etíope proibiu a prática

Addu Abdala Dubba costumava realizar essas circuncisões, com uma pequena lâmina fixada artesanalmente em uma barra de metal.

"Houve momentos em que eu fiz vários cortes consecutivos em um dia com esta mesma lâmina", disse ela, "mas eu a esterilizei cuidadosamente após cada circuncisão, aquecendo no fogo ou fervendo em água quente para evitar a infecção".

A mulher acreditava que seu trabalho tinha um propósito e pensava que ajudava as mulheres a manter sua virgindade e permanecerem fiéis ao seu marido, aspectos considerados essenciais para a honra de uma família.

Mas, depois de participar de cursos de formação, ela revela: "agora entendo que essa prática é errada e que eu posso destruir o futuro de uma menina". A mulher agora é parteira e difunde os perigos da mutilação genital feminina.

O único hospital em Asaita, a antiga capital do estado de Afar, tenta tratar as mulheres que sofrem complicações por mutilação, especialmente durante o parto. O diretor médico do hospital, Saleh Yusuf Imam, disse que o serviço de aconselhamento da instituição tem ajudado na conscientização sobre o problema.

Quando as mulheres que têm problemas com a penetração recebem incisões indolores na vagina e acompanhamento posterior. Segundo o diretor, a maioria das vítimas diz que não permitirá que nenhuma mulher que conheçam sofra mutilação feminina novamente.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo