O astrônomo amador que encontrou um satélite perdido há uma década pela Nasa

Scott Tilley criou um centro de observação em sua casa, no Canadá, para rastrear radiofrequências de satélites e encontrou, por acaso, o Image, desaparecido desde 2005.

Por BBC Brasil
O astrônomo amador que encontrou um satélite perdido há uma década pela Nasa

Scott Tilley estava determinado a encontrar o Zuma, satélite americano espião que, segundo o Pentágono, não conseguiu entrar em órbita e desapareceu pouco após seu lançamento, em janeiro. Mas o astrônomo amador, que vive no Canadá, foi agraciado com um golpe de sorte.

Sua busca foi interrompida no dia 20 de janeiro: Tilley se deparou com o Image, um satélite que a Nasa lançou em 2000 como parte de uma missão para analisar o impacto dos ventos solares sobre a atmosfera terrestre e do qual não tinha mais rastros desde 2005 e parou de procurar em 2007.

Depois de ver e ouvir os primeiros sinais no centro de observação que mantém em sua casa, o astrônomo amador confirmou que havia encontrado o Image.

"Contei para minha mulher durante o jantar, e perguntei a ela o que deveria fazer", contou Tilley à BBC.

O conselho dela foi entrar em contato com os responsáveis por lançar o Image. "Se foi possível encontrar um satélite perdido no céu, com certeza você consegue encontrar quem o colocou lá", disse a mulher, segundo o relato de Tilley.

Foi o que ele fez. E a Nasa confirmou, no dia 30 de janeiro, que realmente se tratava do Image.

99862948ae58bd525b064bd5a362999cf1ef2efd-65ea4ab32f3ce990126e26a97f57ed7a.jpg Scott Tilley tem como "hobby" rastrear satélites espiões | Foto: Arquivo pessoal / BBC

Cientistas do Centro Espacial Goddard, da Nasa, em Maryland, afirmaram que o sistema de controle principal do satélite ainda funciona, mas que levará entre uma e duas semanas para eles terminarem de analisar o estado dele e adaptarem seus programas e a base de dados a sistemas mais modernos.

Astrônomo amador

Tilley, de 47 anos, dedicou a maior parte de sua vida a observar o espaço.

Em casa, criou seu próprio centro de operações, que descreve como "bastante modesto".

Ele calcula que entre telescópios, computadores e rádios, seu espaço, que foi pensado especialmente para rastrear radiofrequências de satélites, não custou mais do que US$ 5 mil.

E o objetivo principal de Tilley é encontrar satélites espiões.

"O espaço é como um parque nacional, pertence a todos", disse ele.

"Nenhum país tem o direito de enviar coisas ao espaço sem divulgar para as pessoas o que são e onde estão. Fazendo essa busca, eu garanto que o que está lá em cima não vai causar danos para ninguém."

99866215442b01da3c5e48e096fc578363720f82-26f4097d291b3fae80b3b77c7019a202.jpg Centro de observação de Tilley não custa mais de US$ 5 mil | Foto: Arquivo pessoal / BBC

Após sua descoberta, a Nasa entrou em contato com o astrônomo amdor para trocar informações. "Não me ofereceram nenhuma recompensa", afirmou.

"Mas também não estou esperando isso. Para mim, a maior satisfação é saber que estou contribuindo para algo importante."

Depois desse "golpe de sorte", Tilley pretende continuar com a missão que interrompeu por um tempo: encontrar o Zuma.

©
Loading...
Revisa el siguiente artículo