Quem foi "Fidelito", filho de Fidel Castro que se suicidou em Cuba

Com a vida profissional dedicada à ciência, herdeiro mais velho de Fidel Castro tratava um 'quadro de depressão profunda", segundo os meios de comunicação oficiais.

Por BBC Brasil

Na academia, vários livros e inúmeros artigos publicados sobre ciência e educação. No governo de Cuba, passagens por cargos de liderança nem sempre bem-sucedidas.

Mas na ilha, Fidel Castro Díaz-Balart, o "Fidelito", filho mais velho do ex-líder cubano, Fidel Castro, está sendo lembrado pelo governo como um homem que "obteve relevantes reconhecimentos nacionais e internacionais". E entre seus admiradores, como alguém que "foi do povo", dono de "uma modéstia impressionante", além de "um grande trabalhador da ciência", responsável por ajudar Cuba no desenvolvimento das ciências físicas e nucleares e da nanotecnologia.

"Fidelito" (algo como "Fidelzinho" em português) cometeu suicídio nesta quinta em Havana, segundo divulgaram os meios de comunicação oficiais do governo, hoje liderado por seu tio, Raúl Castro. Vice-presidente da Academia de Ciências e de assessor científico do Conselho de Estado, ele estaria em tratamento devido a um quadro de depressão.

A divulgação de sua morte nos meios de comunicação oficiais de Cuba gerou surpresa na ilha, onde a imprensa normalmente não detalha causas de mortes, principalmente em casos de suicídio – um ato que o governo considera desonroso.

A informação foi divulgada pela televisão estatal e pelo site oficial Cubadebate. De acordo com o material veiculado, Fidelito "vinha sendo atendido há vários meses por uma equipe médica, devido a um quadro de depressão profunda".

Como parte do seu tratamento, ele teria ficado internado por algum tempo, mas depois seguiu para o acompanhamento ambulatorial.

99853715hi044478045-b2afdcabd3593d28e19a0b0f3f7a48d1.jpg Fidel Castro e o filho, Fidelito: divulgação de notícia sobre o suicídio na imprensa oficial causou surpresa / AFP

Mas quem foi Fidelito?

Físico nuclear graduado pelo Instituto Superior de Ciência e Tecnologias Nucleares da antiga União Soviética, ele carregava em seu currículo uma forte atuação acadêmica. Por mais de uma década, foi enviado como representante de delegações científicas e educacionais do governo de Cuba a vários países.

No governo, chegou a ocupar cargos de liderança nessa área, mas nem sempre foi bem sucedido.

Uma das atividades que assumiu durante a gestão do pai foi o desenvolvimento da Central Nuclear Juragua, um projeto para levar energia atômica à ilha que acabou suspenso após o colapso da União Soviética.

Fidelito liderou o programa nuclear entre 1980 e 1992. Nesse período, era secretário executivo da Comissão de Energia Atômica de Cuba, mas acabou destituído. Segundo o próprio pai, por "ineficiência".

Ele se manteve então em relativo anonimato até 1999, quando foi nomeado assessor do Ministério da Indústria Básica.

99854044tv044477996-fd6ae894c93ba373a05146a2f97a7f6b.jpg Selfie com a socialite americana Paris Hilton em Havana ganhou destaque na mídia internacional em 2015 / Reuters

A imprensa oficial cubana havia citado Fidelito pela última vez em outubro do ano passado, quando noticiou que ele havia viajado para participar, no Japão, de um fórum de ciência e de reuniões com executivos da Nikon e da Shimadzu, fabricante de equipamentos científicos nas áreas analítica, médica e de biotecnologia.

Uma de suas últimas aparições a ganhar a atenção da mídia internacional ocorreu durante visita da socialite americana Paris Hilton e da modelo e atriz britânica Naomi Campbell a Havana, em 2015. Ele e Paris fizeram uma selfie juntos no Festival Internacional de Havana.

Um ano depois, em dezembro de 2016, voltou a ser visto – desta vez no enterro do pai, morto aos 90 anos.

99854050tv044478176-0d336c1ffd09c8eb9f6bb66e12d40836.jpg Uma de suas aparições públicas foi no enterro do pai, em 2016 / AFP

Família

Fidel Castro Díaz-Balart era o mais velho dos nove filhos do ex-presidente de Cuba, e o único de seu primeiro casamento.

A mãe, Mirta Díaz-Balart, era integrante de uma das famílias mais ricas da ilha. Após se separar de Fidel – com quem ficou casada de 1948 a 1955 – ela emigrou para os Estados Unidos e posteriormente se exilou na Espanha.

O tio, Rafael Díaz Balart, que integrou o governo do ditador Fulgêncio Batista (destituído do poder em meio à revolução liderada por Castro, em 1959) era crítico de Fidel. Mas não só ele: a família materna de Fidelito se tornou figura proeminente na comunidade anti-Fidel na Flórida. Um primo, Mario Díaz-Balart, é deputado nos EUA, por exemplo.

Castro Díaz-Balart era atualmente casado com María Victoria Barreiro e pai de três filhos, Fidel Antonio, Mirta María e José Raúl – frutos de seu primeiro casamento, com a russa Olga Sminova.

Detalhes sobre o funeral não haviam sido divulgados até a publicação desta reportagem.

©
Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo