Sobrevivente de sequestro diz: 'As crianças Turpin devem ver seus pais na prisão para começar uma nova vida'

Por Victória Bravo

Uma mulher que foi sequestrada ainda criança e mantida refém em um porão por oito anos declarou que os 13 irmãos Turpin deveriam poder ver os pais que os mantinham na prisão.

Natascha Kampusch disse que as crianças precisarão encontrar uma maneira de perdoar David e Louise Turpin "ou deixar para trás".

"Isso os ajudará a iniciar um processo onde eles poderão lidar com toda a situação e ficar mais estáveis", disse ela ao The Daily Telegraph.

O caso Natascha Kampusch

Aos 10 anos, Natascha foi sequestrada perto da sua casa  na capital austríaca de Viena e levada para uma cidade vizinha por um homem chamado Wolfgang Priklopil.

Ele construiu previamente um espaço no porão e manteve a criança em cárcere privado, forçando-a a cozinhar e a limpar a casa, enquanto ele a agredia e pouco lhe dava de comer. Posteriormente, a vítima também sofreu agressões sexuais.

foto Natascha Kampusch aos 10 anos e seu sequestrador Wolfgang Priklopil. / Reprodução / AFP

Aproveitando um momento de descuido do sequestrador, Natascha escapou em 2006, aos 18 anos.

Ao contrário dos filhos de Turpin, ela não teve a oportunidade de confrontar seu sequestrador porque Priklopil cometeu suicídio saltando em frente a um trem depois de descobrir que a polícia o estava perseguindo.

A sobrevivente, que escreveu dois livros sobre seu cativeiro e sua luta para encontrar seu lugar no mundo depois que ele terminou, disse que, no caso Turpin, o contato com os pais permitiria aos filhos obter algum tipo de "encerramento".

Ela disse: "As crianças precisarão de encerramento para avançar. Então sim, eles precisam ter a oportunidade de ver seus pais, mesmo que seja só para dizer 'eu odeio você, você é um monstro"".

Com múltiplas acusações de tortura, cárcere privado e outros crimes, David e Louise Turpin não podem ver os filhos, cujas idades variam entre dois e 29 anos

Se forem condenados, o casal pode pegar até 94 anos de prisão perpétua.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo