Tripulantes de submarino que desapareceu haviam informado sobre entrada de água e curto-circuito

Comando da Marinha Militar da Argentina teria ocultado documento que acabou sendo divulgado por emissora argentina

Por Ansa
O submarino San Juan, fabricado na Alemanha na década de 1980 - BBC
Tripulantes de submarino que desapareceu haviam informado sobre entrada de água e curto-circuito

O comando da Marinha Militar da Argentina ocultou um documento em que os tripulantes do submarino ARA San Juan, que desapareceu no dia 15 de novembro, informavam sobre a entrada de água no equipamento e um curto-circuito nas baterias. A notificação ocorreu horas antes dele desaparecer dos radares.

"Entrada de água do mar, através do sistema de ventilação, junto às baterias de número 3 causaram um curto-circuito e um princípio de incêndio nas barras das baterias. Baterias de proa fora de serviço. Atualmente em imersão, propulsando com um circuito dividido. Sem novidades do pessoal", dizia o texto enviado ao comandante dos submarinos, Claudio Villamide, e divulgado pela emissora argentina "A24".

A nota foi enviada às 8h52 (hora local), pouco tempo depois do último relatório conhecido até o momento, que foi recebido às 7h30 (hora local). Pelo horário, a mensagem foi enviada pouco mais de duas horas antes de radares detectarem um evento similar a uma "explosão" na área onde deveria estar a embarcação.

Após da repercussão da informação na mídia argentina, o porta-voz da Marinha, Enrique Balbi, confirmou que houve um relato de "entrada de água pelo snorkel", como é conhecido o sistema de ventilação de um submarino, "que teria provocado um curto-circuito" e que "para nós, é fumaça sem fogo".

Segundo o portal "Infobae", essas novas informações sequer teriam sido passadas para o presidente do país, Mauricio Macri, ou para o ministro da Defesa, Oscar Aguad, nas duas visitas que eles fizeram à sede da Marinha durante as operações de buscas.

Até por conta disso, Macri já teria decidido sobre a remoção do comandante da entidade, almirante Marcelo Srur, além de Luis Enrique Lopez Mazzeo, que fazia o treinamento do corpo militar, e do próprio Villamide.

O ARA San Juan desapareceu com 44 pessoas a bordo no dia 15 de novembro enquanto estava navegando em Ushuaia, no sul da Argentina. Até o momento, não há nenhuma pista que mostre onde está o equipamento.

Loading...
Revisa el siguiente artículo