Argentina faz 'missão final' para tentar encontrar submarino

Por Band.com.br
A área de busca foi reduzida a 74 quilômetros quadrados - (Foto: Magali Cervantes/Reuters)
Argentina faz 'missão final' para tentar encontrar submarino

A Argentina lançou a "missão final" para encontrar o submarino ARA San Juan, que desapareceu no dia 15 de novembro com 44 pessoas a bordo.

Um mini submarino norte-americano, que consegue submergir a até 600 metros de profundidade, deve chegar na área de buscas – reduzida a apenas 74 quilômetros quadrados – nesta segunda-feira (27), informou o jornal argentino El Clarín.

A cápsula pode resgatar 16 pessoas simultaneamente e leva 44 coletes salva-vidas enviados pela Marinha da Argentina. Apesar das chances remotas de encontrar alguém com vida no submarino, os oficiais argentinos fizeram questão de enviar um colete para cada tripulante que estava na embarcação.

Buscas

Na área de buscas, que foram reduzidas após a confirmação da detecção de uma "explosão" na região onde o ARA San Juan desapareceu, há 14 navios e três aeronaves trabalhando para tentar localizar o equipamento. Além do mini submarino norte-americano, a Rússia e o Brasil também disponibilizaram submarinos para ajudar nas buscas.

No último domingo (26), o porta-voz da Marinha, Enrique Balbi, informou que não há prazo para essa missão terminar. "O presidente, o ministro da Defesa e o chefe da Armada ordenaram que sigamos focados na busca, e não se fala de nenhum tempo definido, já que ainda não encontramos o submarino", destacou.

Além das investigações internas e de uma ação pública aberta por uma juíza do país, o jornal "La Nación" revelou que a compra de baterias do submarino foi alvo de uma investigação em 2010. Suspeita-se que as baterias tenham causado a explosão do submarino.

Causa da explosão

O jornal acusa que o serviço de manutenção do equipamento tenha sofrido com "a corrupção" de agentes públicos. De acordo com a publicação, a "empresa Hawker GMBH" foi contratada para fazer um serviço de reparação das baterias, em serviço que "custou 5,1 milhões de euros para o Estado argentino".

Nesta segunda-feira, a mídia argentina também informou que o presidente do país, Mauricio Macri, vai demitir toda a cúpula das Forças Armadas por conta das falhas tanto nas operações de resgate como erros em relatórios internos sobre o desaparecimento do submarino.

Loading...
Revisa el siguiente artículo