Prova na Itália trata homossexualidade como doença e causa revolta nas redes

Por Ansa
Marcelo Camargo/Agência Brasil
Prova na Itália trata homossexualidade como doença e causa revolta nas redes

Um teste feito para estudantes de medicina nas universidades da Itália causou polêmica por todo o país por conter uma pergunta que questiona o nível de homossexualidade nos seres humanos.

Na prova para avaliar o progresso do aluno, a pergunta questiona "qual das porcentagens apresentadas nas alternativas representam a melhor estimativa do homossexualismo no homem", no contexto de um diagnóstico e solução a ser tomada contra certas doenças.

"É de gravidade sem precedentes que esta pergunta tenha sido feita em um teste de medicina", afirmou a ministra da Educação, Valeria Fedeli, ressaltando que espera que a questão seja eliminada e a pessoa responsável punida.

Em sua conta no Facebook, Cathy La Torre, vice-presidente do Movimento de Identidade Transexual (MIT), afirmou indignada que o teste foi aplicado a mais de 33 mil estudantes de medicina.

"Queremos saber se a comunidade médica italiana ainda acredita que a homossexualidade é uma doença. Queremos saber qual é o objetivo de pedir aos futuros médicos para estimar a homossexualidade nos seres humanos? Há também a estimativa da heterossexualidade?", escreveu Marco Grimaldi, secretário piemontês da esquerda italiana. "Exigimos uma resposta da Conferência da Faculdade de Medicina", ressaltou Grimaldi, lembrando que heterossexualidade e homossexualidade são variações "naturais" do comportamento humano.

 

Quello che segue è uno dei quesiti del progress test del 2015: Una donna in stato di agitazione viene portata in…

Posted by Cathy La Torre on Friday, November 17, 2017

 

Loading...
Revisa el siguiente artículo