Paquistão revela restos de uma imagem de 1.700 anos de Buda

Por Reuters
Escavações foram retomadas e a imagem de 14 metros em pedra foi desenterrada - Saad Sayeed/Reuters
Paquistão revela restos de uma imagem de 1.700 anos de Buda

O Paquistão revelou os restos de uma imagem de um Buda na posição vertical de 1.700 anos nesta última quarta-feira (15), parte de uma iniciativa para encorajar turismo e projetar harmonia religiosa em uma região incomodada pela militância islâmica.

Um reflexo da variada história e cultura do país do sul da Ásia, o antigo local budista na província de Bhamala foi descoberto em 1929. Oitenta e oito anos depois, escavações foram retomadas e a imagem de 14 metros em pedra do Buda foi desenterrada, e o líder da oposição Imran Kahn presidiu a apresentação.

“Isto é do século 3 d.C., tornando isto os restos mais antigos do mundo do Buda reclinado”, disse Abdul Samad, diretor do departamento de arqueologia e museus de Bhamala, à Reuters. “Nós descobrimos mais de 500 objetos de Buda e estes restos de 14 metros do Buda reclinado.”

“Isto é uma questão de preservar estes locais de patrimônio que são valiosos para nosso país”, acrescentou.

A região foi no passado centro da civilização budista que se enraizou sob o rei máuria Ashoka há 2.300 anos.

A apresentação da imagem de Buda coincidiu com um fechamento de importantes estradas na capital do país para conter um protesto de direita contra uma percepção branda do Islã por membros do governista Liga Muçulmana do Paquistão.

Comunidades minoritárias no Paquistão são frequentemente alvos de grupos da direita e sucessivos governos no passado estiveram relutantes em incorporar a herança não muçulmana do país. Tentativas recentes de melhorar a imagem do Paquistão incluíram propostas da Liga Muçulmana do Paquistão para comunidades minoritárias.

Loading...
Revisa el siguiente artículo