Profissional de saúde no Texas é o segundo infectado pelo ebola nos EUA

Por Nadia

Os Estados Unidos anunciaram nesta quarta-feira (14) o segundo caso de infecção pelo vírus ebola – de um profissional de saúde que tratou do cidadão da Libéria infectado e que acabou morrendo em território americano.

De acordo com as agências internacionais, que citam os serviços de saúde do Texas, o teste feito no profissional, em Dallas, foi positivo.

O trabalhador, que manteve contato com o doente, juntamente com 74 pessoas, estava em observação. Ele teve febre nessa terça-feira (13) e foi, de imediato, colocado em quarentena no Hospital Presbiteriano do Texas, em Dallas, acrescentam as autoridades, em comunicado.

O Departamento de Saúde local continua a acompanhar as pessoas que tiveram contato com os dois pacientes diagnosticados no Texas, um liberiano e uma enfermeira.

O total de pessoas sob vigilância chega a 125, informou o diretor do Centro de Controle de Prevenção de Doenças dos Estados Unidos, Thomas Frieden.

Por enquanto, as autoridades não sabem como ocorreu o contágio da enfermeira, por isso tomaram a decisão de controlar a temperatura dos profissionais de saúde duas vezes por dia para detectar os sintomas de ebola, o mesmo protocolo que se aplica ao resto das pessoas em risco.

Os mais recentes dados apontam para o registro de 8.917 casos de ebola, com 4.447 mortes. A Libéria, Serra Leoa e a Guiné-Conacri são os países mais afetados pelo pior surto da doença.

Mais casos em Dallas são “possibilidade muito real”, diz autoridade dos EUA

As autoridades locais de Dallas estão se preparando para a possibilidade de mais casos de Ebola, depois que um segundo atendente de enfermagem que cuidou da primeira pessoa diagnosticada com a doença nos Estados Unidos foi infectado pelo vírus, disse uma autoridade local nesta quarta-feira.

“Estamos preparando contingências para mais, e essa é uma possibilidade muito real”, disse o juiz do Condado de Dallas Clay Jenkins em entrevista coletiva ao lado de outras autoridades locais.

Colômbia nega entrada de pessoas que visitaram países africanos com surto de ebola

A Colômbia começou a negar a entrada de pessoas que visitaram recentemente os países da África Ocidental afetados pelo vírus do ebola, tornando-se o primeiro país latino-americano a impor essa restrição.

A medida entrou em vigor na terça-feira, se aplica a pessoas que estiveram em Serra Leoa, Libéria, Guiné e Nigéria, e foi adotada em resposta a uma recomendação do Instituto Nacional de Saúde para evitar a propagação do vírus, segundo disseram à Reuters na terça-feira fontes do Ministério das Relações Exteriores não autorizadas a falar sobre o assunto.

Guardas de fronteira da Colômbia vão negar entrada a qualquer pessoa cujo passaporte mostre uma recente viagem aos países com surto, e os consulados vão vetar os pedidos de visto para qualquer pessoa que tenha visitado essas nações nas quatro semanas anteriores, de acordo com um documento do Ministério do Exterior visto pela Reuters.

O surto de Ebola na África Ocidental é o pior já registrado, com pelo menos 4.447 mortos. Um outro surto da doença, não relacionado à essa cepa, já matou mais de 40 pessoas na República Democrática do Congo.

A epidemia de Ebola ainda está se espalhando na Guiné, Serra Leoa e Libéria. As projeções mostram que pode haver entre 5.000 e 10.000 novos casos por semana no início de dezembro, informou a Organização Mundial da Saúde (OMS) na terça-feira.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo