Autoridade de equipe médica da ONU é contagiada pelo Ebola na Libéria

Por Nadia
O pior surto de Ebola registrado até hoje já matou mais de 3.400 pessoas, predominantemente na Libéria, Guiné e Serra Leoa. | Christopher Black/WHO/Handout via Reuters O pior surto de Ebola registrado até hoje já matou mais de 3.400 pessoas, predominantemente na Libéria, Guiné e Serra Leoa | Christopher Black/WHO/Handout via Reuters

Uma autoridade médica internacional da Missão da ONU na Libéria testou positivo para o vírus do Ebola e está recebendo tratamento, informou a missão da ONU no país (Unmil) em um comunicado nesta quarta-feira.

O funcionário, que não foi identificado, é o segundo membro da missão a contrair Ebola – o primeiro morreu no dia 25 de setembro.

O pior surto de Ebola registrado até hoje já matou mais de 3.400 pessoas, predominantemente na Libéria, Guiné e Serra Leoa.

Leia também:
Vírus do Ebola pode sobreviver no sêmen por cerca de 90 dias, diz OMS

Mais uma enfermeira espanhola é isolada por suspeita de Ebola

Uma enfermeira espanhola foi isolada e mantida sob observação em um hospital nesta quarta-feira como precaução depois que uma de suas colegas testou positivo para Ebola, disse uma fonte do Ministério da Saúde, em Madri.

Depois da internação dessa enfermeira, e de uma outra na terça-feira à noite, já são seis as pessoas que foram isoladas após a confirmação da primeira propagação do vírus Ebola fora de África.

“Ela tem febre. O protocolo foi implementado e, considerando as circunstâncias, consideramos isso oportuno”, disse à Reuters uma fonte do Ministério da Saúde, em Madri.

A enfermeira internada nesta quarta-feira fez parte da equipe que tratou dos dois padres espanhóis que morreram de Ebola no hospital Carlos III, de Madri, depois de serem repatriados da África.

Além do caso confirmado e das duas enfermeiras, também está isolado na observação o marido da doente infectada, mas ele não tem sintomas.

Os testes a que foi submetido um engenheiro que viajou para a Nigéria – um dos países afetados pelo pior surto de Ebola registrado até hoje – deram negativo. Os testes de uma sexta pessoa, uma outra enfermeira que não tinha sintomas, também deram negativo.

EUA reforçarão triagem nos aeroportos

Autoridades da área da saúde nos Estados Unidos disseram que revelariam dentro de alguns dias novos procedimentos de triagem para detectar o vírus Ebola nos aeroportos do país, a fim de lidar com a preocupação do público com a possibilidade de um surto.

“Estamos trabalhando intensivamente no processo de triagem tanto nos lugares de origem quanto na chegada”, disse o dr. Thomas Frieden, diretor do Centro de Controle de Doenças e Prevenção (CDC, na sigla em inglês), falando a repórteres na terça-feira.

A medida iria além dos esforços do CDC para aumentar a vigilância no caso de viajantes que chegam de países afetados pelo Ebola, como a Libéria, procedimento que o órgão considera ser a melhor maneira de lidar com a potencial difusão do vírus.

Mas o diagnóstico do primeiro paciente com Ebola em solo norte-americano na semana passada engrossou os pedidos de congressistas e alguns especialistas de saúde para que fossem apresentadas medidas mais duras no país.

Fiscalizar passageiros na chegada aos EUA poderia detectar aqueles que desenvolveram febre fraca durante o voo, mas também imporia novos desafios para funcionários no controle de chegadas e as tripulações de voo, disseram especialistas do setor.

Em agosto, equipes do CDC treinaram funcionários de aeroportos no oeste da África para utilizar scanners de mão para checar viajantes com febre, um possível sintoma do Ebola, e ajudaram a desenvolver um questionário de saída do país para determinar a potencial exposição.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo