Estado Islâmico usa crianças em atentados suicidas, diz ONU

Por lyafichmann
Membros do grupo islâmico sunita celebram no Iraque | Youssef Boudlal/Reuters Os jihadistas usam meninos e meninas com idades que dificilmente chegam a 13 anos | Youssef Boudlal/Reuters

Cerca de 700 crianças foram mortas ou mutiladas no Iraque desde o início deste ano, muitas delas usadas em atentados suicidas pelos jihadistas do Estado Islâmico (EI), informou nesta segunda-feira Leila Zerrougui, representante especial da ONU para a infância e conflitos armados.

Zerrougui afirmou em uma sessão do Conselho de Segurança para tratar do tema: “Os jihadistas usam crianças em idade que dificilmente chega a 13 anos para levar armas, manter lugares estratégicos e prender civis. Outras crianças participam em ataques suicidas”.

Ao mesmo tempo em que acusou o governo iraquiano de prender inúmeras crianças sem motivos claros, Zerrougui também citou o recrutamento de crianças soldados pelas milícias aliadas ao governo iraquiano. “Estou consternada com o desprezo total pela vida humana demonstrado pelo Estado Islâmico durante seu rápido avanço na Síria e no Iraque”, destacou ainda.

Ela falou do efeito terrível que o conflito em Gaza terá sobre as crianças e assinalou que mais de 700 crianças palestinas morreram e 3.106 ficaram feridas ou mutiladas na ofensiva do exército israelense.

Também denunciou os abusos contra crianças na Nigéria pelo grupo islamita Boko Haram, e igualmente na Líbia, Afeganistão, República Centro-africana, Mali e Sudão do Sul.

Loading...
Revisa el siguiente artículo