‘Vamos degradar e destruir o Estado Islâmico’, afirma Obama

Por lyafichmann
Obama disse que vai combater o EI com parceiros regionais | Ints Kalnins/Reuters Obama disse que vai combater o EI com parceiros regionais | Ints Kalnins/Reuters

O presidente dos EUA, Barack Obama, disse nesta quarta-feira que o país planeja combater o grupo terrorista EI (Estado Islâmico), responsável pela morte de dois jornalistas norte-americanos. Washington confirmou a autenticidade das imagens divulgadas na véspera em que o segundo jornalista, Steven Sotloff, é decapitado. Obama disse ainda que os EUA não serão intimidados pelo EI.

Leia também:
• EUA confirmam que 2º vídeo de decapitação de jornalista é real

“Nosso objetivo é claro: degradar e destruir (o EI) para que não seja mais uma ameaça, não só ao Iraque, mas à região e aos EUA”, afirmou Obama, em entrevista coletiva. “Seja lá o que for que estes assassinos pensam que irão conquistar matando norte-americanos inocentes como Steven, já fracassaram”, disse. Obama prometeu vingar a morte do jornalista. “Fracassaram porque, como muitos ao redor do mundo, os norte-americanos estão enojados com sua barbárie. Nós não seremos intimidados”.

‘Portões do inferno’

O vice-presidente Joe Biden disse que os terroristas do grupo “deveriam saber que vamos segui-los até os portões do inferno, até serem levados à Justiça. O inferno é onde irão morar”.

Obama anunciou que o secretário de Estado, John Kerry, que classificou a execução de Sotloff de “soco no estômago”, deverá ir ao Oriente Médio para elaborar maneiras de combater o EI com parceiros regionais. Além de Kerry, devem viajar o secretário de Defesa, Chuck Hagel, e a conselheira de contra-terrorismo, Lisa Monaco.

“Isso não vai levar uma semana ou um mês porque há um vácuo (de poder) na Síria. Vai levar tempo para fazermos com que recuem”, disse Obama. Os EUA retomaram ataques aéreos no Iraque em agosto pela primeira vez desde a retirada das tropas do país, em 2011.

Londres não descarta ataque aéreo contra grupo

O ministro das Relações Exteriores da Grã Bretanha, Philip Hammond, disse nesta quarta que  a captura de um refém britânico pelo EI (Estado Islâmico) não aumentava a probabilidade de um ataque aéreo do país contra o grupo terrorista, mas afirmou que Londres não descarta essa opção.

No vídeo divulgado na terça-feira, o EI ameaça um refém britânico, identificado como David Haines. O grupo alerta os governos a recuarem “nessa aliança maligna dos EUA contra o Estado Islâmico”.

“Isso não faz nenhuma diferença para nosso planejamento estratégico”, disse Hammond. “Se nós julgarmos que ataques aéreos podem ser benéficos, então vamos certamente considerá-los. Mas até o momento não tomamos nenhuma decisão de fazer isso”.

Segundo ele, o homem que aparece no último vídeo parece ser o mesmo de um clipe anterior do grupo, com forte sotaque britânico. Londres investiga.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo