Número de refugiados sírios ultrapassa 3 milhões

Por Nadia
Segundo a ONU, metade dos afetados são crianças | Youssef Boudlal/Reuters Segundo a ONU, metade dos afetados são crianças | Youssef Boudlal/Reuters

Mais de 3 milhões de sírios fugiram da guerra civil no país e tornaram-se refugiados, com o registro de 1 milhão de pessoas apenas no último ano, informou hoje (29) a Organização das Nações Unidas (ONU).

“O número de refugiados vai ultrapassar hoje os 3 milhões”, diz a Agência da ONU para Refugiados (Acnur), lembrando que o número não inclui milhares de pessoas que fugiram do conflito sem se registrar como refugiados.

Há menos de um ano, o número de refugiados sírios estava calculado em 2 milhões de pessoas, acrescenta a organização, destacando que o aumento se deve à “deterioração das condições no interior do país”.

Há “cidades onde a população está cercada, as pessoas enfrentam a fome e os civis são alvo de sevícias ou indiscriminadamente mortos”.

A guerra civil na Síria já provocou a morte de 191 mil pessoas desde março de 2011.

As Nações Unidas lembram ainda que 6,5 milhões de sírios foram deslocados, o que significa que cerca de 50% da população foram obrigados a abandonar as suas casas.

Mais de metade dos deslocados são crianças.

A maioria dos refugiados encontrou abrigo em países vizinhos, entre eles o Líbano, que acolheu 1,14 milhão de pessoas, a Jordânia, 608 mil, e a Turquia, 815 mil.

Obama descarta intervenção militar imediata na Síria

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, descartou nessa quinta-feira (28) uma intervenção militar imediata para conter a ação do Estado Islâmico (EI) – grupo extremista mulçumano – em território sírio. Ele disse que ainda está “construindo uma estratégia mais ampla” para conter a ação do braço do grupo que atua na Síria. “Não quero colocar o carro na frente dos bois”, disse Obama, em declaração à imprensa na Casa Branca.

Barack Obama fala à imprensa na Casa Branca | Larry Downing/Reuters Barack Obama fala à imprensa na Casa Branca | Larry Downing/Reuters

O assunto foi abordado durante a entrevista, dois dias depois de a imprensa americana ter anunciado que era iminente a autorização de voos de reconhecimento dos Estados Unidos sobre o território sírio.

O jornal  The New York Times e a rede de TV CNN informaram ter ouvido fontes do Departamento de Defesa do país sobre o uso de drones e outros aviões especiais para sobrevoos no território sírio “a qualquer momento”.

Na conversa com os jornalistas, que ocorreu depois de uma reunião do Conselho de Segurança Nacional na Casa Branca, Obama reforçou que enviará o secretário de Estado, John Kerry, na próxima semana, à região, para identificar possíveis “parceiros regionais” a fim de combater a ação do EI, chamado por ele de “câncer”.

O presidente acrescentou que pretende formar um tipo de coalizão para traçar estratégias militares, políticas e econômicas de longo prazo. O EI tem forte presença em território sírio e apoia a oposição ao governo de Bashar Al Assad. Obama também ressaltou que será preciso consultar o Congresso dos Estados Unidos porque uma estratégia do porte “necessário” poderá ter custos financeiros.

Internamente, o bombardeio militar ao Norte do Iraque para combater o EI é alvo de manifestações de apoio e desacordo da opinião pública. O tema é um dos que polarizam os republicanos e democratas, no momento em que o país se prepara para as eleições legislativas em novembro.

 

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo