ONU acusa Estado Islâmico de execuções civis públicas na Síria

Por Nadia
A comissão denuncia ainda o uso de explosivos com cloro por parte do governo Sírio | Pierre Albouy/Reuters A comissão denuncia ainda o uso de explosivos com cloro por parte do governo Sírio | Pierre Albouy/Reuters

As execuções públicas de civis, assim como as amputações e chicotadas, se transformaram em “espetáculo comum” às sextas-feiras nas regiões da Síria controladas pelos jihadistas do Estado Islâmico (EI), denunciou nesta quarta-feira uma comissão de investigação da ONU em um relatório.

“As execuções em espaços públicos se transformaram em espetáculo habitual às sextas-feiras em Raqa (reduto do EI) e nas zonas da província de Aleppo controladas pelo Estado Islâmico no Iraque e Levante (EIIL)”, afirma o relatório da comissão independente de investigação sobre a situação dos direitos humanos na Síria.

O EIIL é a denominação anterior do Estado Islâmico (EI), que em junho proclamou um califado nos territórios que controla no Iraque e na Síria.

As execuções sumárias têm o objetivo de “instilar o terror na população” assegurar a submissão desta, segundo o relatório.

O documento afirma ainda que os jihadistas estimulam e, às vezes, obrigam a população a assistir as execuções. A maioria das vítimas são homens adultos, mas a comissão afirma que jovens com idades entre 15 e 17 anos e mulheres também foram executadas.

A comissão que elaborou o relatório recebeu mandato do Conselho de Direitos Humanos da ONU para investigar e revelar as violações ao direito internacional no campo dos direitos humanos na Síria.

No texto, os investigadores acusam novamente o governo de Damasco de cometer crimes contra a humanidade e crimes de guerra.

A comissão suspeita que o governo lançou barris de explosivos com cloro em Kafr Zeita, Al-Tamana e Tal Minnis, oeste do país. “Há motivos razoáveis para pensar que utilizaram armas químicas, provavelmente cloro, oito vezes em um período de 10 dez dias no mês de abril”, afirma a comissão.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo