Escavadeira atinge ônibus em Jerusalém em suposto ataque

Por Carolina Santos
Ô ônibus foi derrubado por uma escavadeira | Ammar Awad/Reuters Ô ônibus foi derrubado por uma escavadeira | Ammar Awad/Reuters

Um veículo pesado de construção civil atingiu e matou um pedestre e virou um ônibus em Jerusalém nesta segunda-feira, no que a polícia suspeita ter sido um ataque palestino, encerrado após um policial atirar e matar o motorista da escavadeira amarela.

Não havia passageiros no ônibus, localizado em um bairro ultraortodoxo. Imagens de uma câmera de segurança transmitidas na TV israelense mostravam o braço da escavadeira rasgando a lateral do ônibus tombado sobre a calçada.

A mídia israelense disse que o motorista da escavadeira era um palestino do leste de Jerusalém.

Leia também:
•Criança palestina morre em atentado durante trégua em Gaza

O chefe de polícia do distrito de Jerusalém, Yossi Farienti, disse que a escavadeira “atingiu um cidadão judeu em canteiro de obras e então desceu a rua cerca de 50 metros, onde virou o ônibus com seu braço, ferindo levemente três pessoas”.

O porta-voz policial Micky Rosenfeld disse que “a polícia está investigando o incidente como um ataque terrorista”. Ele disse que um policial atirou e matou o motorista da escavadeira.

O ministro de Segurança Interna, Yitzhak Aharonovitch, disse que a atual guerra em Gaza, que já dura quatro semanas, tem aumentado a preocupação com ataques dentro das cidades israelenses.

“Desde o momento em que o conflito começou no sul, nos demos conta que incidentes como esse com um agressor solitário podem acontecer e ataques com tratores são familiares em Jerusalém”, disse Aharonovitch à TV Channel 2.

“Toda a família (do motorista) está sendo interrogada. Queremos saber quem mandou ele, se ele agia sozinho, se ele pertencia a alguma rede –todas essas coisas estão sendo checadas”, disse ele.

Um vídeo publicado na internet mostra o suposto momento em que a escavadeira derruba o ônibus em Jerusalém. Assista:

Siegfried Modola/Reuters Siegfried Modola/Reuters
Siegfried Modola/Reuters Siegfried Modola/Reuters
Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo