Israel e Hamas acertam cessar-fogo humanitário de 72 horas

Por Tercio Braga
Kerry, na Índia, anuncia cessar-fogo: ‘alívio necessário’ | Lucas Jackson/Reuters

O Departamento de Estado dos EUA e a ONU disseram nesta quinta-feira que Israel e o Hamas aceitaram uma proposta de trégua humanitária de 72 horas na Faixa de Gaza. O cessar-fogo está previsto para entrar em vigor às 8h de hoje (horário local).

“Ao reconhecer um chamado da ONU e em consideração à situação de nosso povo, as facções concordaram com a trégua (…) desde que o outro lado a obedeça”, disse o porta-voz do Hamas, Sami Abu Zuhri.

Segundo uma nota conjunta do secretário de Estado dos EUA, John Kerry, e do secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, as tropas israelenses não devem se retirar do território durante a trégua.

“Esse cessar-fogo é fundamental para dar aos civis inocentes um alívio muito necessário da violência”, diz a nota, segundo a qual delegações de negociadores palestinos e israelenses devem viajar “imediatamente” ao Cairo para discutir um “cessar-fogo duradouro”.

Condenação

Nesta quinta, em uma mudança no tom, os EUA classificaram o bombardeio a uma escola da ONU, na quarta-feira, como “inaceitável e indefensável”. O porta-voz da Casa Branca Josh Earnest disse que o país considera haver poucas dúvidas de que a artilharia israelense atingiu o local.

“Os EUA acreditam que o governo e o Exército israelenses não estão fazendo o suficiente para isso (proteger civis)”, disse Earnest. A Casa Branca pediu que Israel encerre a operação por terra contra o Hamas.

Apesar das críticas, o premiê israelense, Binyamin Netanyahu, disse que não aceitará nenhum cessar-fogo que impeça o Exército de completar a destruição de túneis utilizados pelo Hamas para invasões. “Estamos determinados a completar essa missão, com ou sem um cessar-fogo”, disse.

O Exército disse ter convocado mais 16 mil reservistas para substituir os que serão dispensados.

Agência da ONU em Gaza está ‘sobrecarregada’

A UNRWA (Agência da ONU de Assistência aos Refugiados Palestinos no Oriente Médio) está em dificuldades para lidar com uma avalanche de quase 250 mil refugiados na Faixa de Gaza.

Sem dinheiro, a principal agência da ONU na Palestina diz que mal consegue lidar com a crise humanitária desencadeada por mais de três semanas de combates entre o Hamas e Israel.

Mesmo em tempos de paz, a ONU já vinha enfrentando dificuldades para fornecer auxílio alimentar aos quase 2 milhões de moradores da Faixa de Gaza. Ontem, a UNRWA fez um apelo urgente por US$ 187 milhões para comprar camas e suprimentos básicos.

Lágrimas

Em uma entrevista ao vivo ao canal árabe da rede de TV Al Jazeera, na quarta-feira, o porta-voz da agência, Chris Gunness, começou a chorar copiosamente ao tentar explicar a escala de sofrimento dos civis no território costeiro.

“Há vezes em que lágrimas são mais eloquentes do que as palavras. As minhas lágrimas não são nada se comparadas com as de Gaza”, disse Gunness, depois.

“A UNRWA está sobrecarregada em Gaza. Atingimos o ponto do limite, nosso pessoal está sendo morto, nossos abrigos, superlotados”. A entrevista ocorreu depois do bombardeio de uma escola da agência, em que ao menos 16 pessoas morreram.

“Foi uma entrevista ao vivo e eu estava tentando lidar com isso (o ataque)”, disse Gunness ao jornal britânico “Guardian”. 

Loading...
Revisa el siguiente artículo