Obama chama Rússia de "potência regional" e cita Crimeia

Por Caio Cuccino Teixeira
Toussaint Kluiters/United Photos/Reuters Barack Obama | Toussaint Kluiters/United Photos/Reuters

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, chamou a Rússia nesta terça-feira de “potência regional” e disse que o país se envolveu na Ucrânia por conta de uma fraqueza, não de uma força.

Leia também:
• Obama vai propor fim de coleta telefônica “a granel” pela NSA
• Militante de extrema direita é morto pela polícia na Ucrânia

“A Rússia é uma potência regional que está ameaçando alguns de seus vizinhos imediatos, não por causa de força, mas por causa de fraqueza”, disse Obama após reunião sobre segurança nuclear na Holanda.

“Nós (os Estados Unidos) temos influência considerável sobre nossos vizinhos. Geralmente não precisamos invadi-los para ter uma relação forte e cooperativa com eles”, afirmou.

Obama disse ainda que a Rússia não é a principal ameaça à segurança nacional dos EUA e que está mais preocupado com a possibilidade de uma arma nuclear ser detonada em Manhattan.

Anexação da Crimeia 

Obama disse nesta terça-feira que a anexação da Crimeia pela Rússia não é um “fato consumado”, pois não foi reconhecida pela comunidade internacional.

Ele acrescentou que Washington está preocupado com a possibilidade de uma invasão maior da Rússia na Ucrânia.

“Depende da Rússia agir responsavelmente e se mostrar mais uma vez com disposição de cumprir as normas internacionais… se ela falhar em fazer isso, haverá alguns custos”, disse ao término de uma conferência sobre segurança nuclear em Haia.

Obama disse que a imposição de mais sanções a Moscou prejudicaria a Rússia, mas também as economias de outros países.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo