Uruguai diz aos EUA que aceita ficar com presos de Guantánamo

Por Tercio Braga
Presos na base de Guantánamo, em Cuba | T. McCoy/U.S. Navy/Getty Images Presos na base de Guantánamo, em Cuba | T. McCoy/U.S. Navy/Getty Images

O Uruguai pediu aos Estados Unidos que libertem presos cubanos em troca de o país concordar em receber detentos da penitenciária de Guantánamo, alvo de muitas críticas, disse o presidente uruguaio, José Mujica, nesta sexta-feira.

O Uruguai informou na quinta-feira que, a pedido de Washington, iria receber alguns presos da base militar dos EUA em Guantánamo, em Cuba, que tem sido usada desde 2002 para manter as pessoas capturadas após os atentados de 11 de setembro de 2001 contra os Estados Unidos.

Mujica afirmou em seu programa semanal de rádio que pediu em troca a libertação de cubanos detidos em solo norte-americano.

“Nós não estamos com vergonha de dizer que pedimos ao governo norte-americano que faça o que puder porque esses dois ou três prisioneiros cubanos estão lá há muitos anos, um caminho está sendo procurado para libertá-los, pois isso é também algo vergonhoso”, disse Mujica.

O comentário foi provavelmente uma referência a três agentes de inteligência cubanos. Os três, além de dois outros que já foram soltos, foram condenados em 2001 por espionagem e são considerados heróis em Cuba.

Um alto funcionário do governo Obama disse que, embora os Estados Unidos considerem Mujica um “parceiro valioso” com quem se consultam regularmente, o governo não tem “conhecimento de quaisquer pedidos nos termos do que está sendo relatado”.

Funcionários do governo uruguaio não quiseram fazer mais comentários.

Loading...
Revisa el siguiente artículo