Governo de Cuba duplica salários de médicos no país

Por Tercio Braga

O governo de Cuba aumentou por mais que o dobro o salário dos médicos e dentistas, que passarão a ganhar até 64 dólares mensais, informou nesta sexta-feira o jornal oficial Granma.

O aumento, que será pago a partir de 1º de junho, “contribuirá para a estabilidade e a qualidade dos serviços médicos da população, assim como para cumprir os compromissos internacionais”, disse o jornal, ao informar sobre esta decisão adotada na quarta-feira em uma reunião do Conselho de Ministros, liderada pelo presidente Raúl Castro.

Segundo uma tabela publicada pelo Granma, o salário de um médico com duas especialidades passará de 627 pesos (25 dólares) a 1.600 pesos (64 dólares), um aumento de 155%.

Profissionais mais bem pagos da ilha

O salário médio em Cuba equivale a 20 dólares mensais, razão pela qual os médicos – que tinham um déficit salarial em comparação com os demais funcionários da saúde – estarão entre os funcionários públicos mais bem pagos da ilha, ainda que muito abaixo do que ganham seus colegas de outros países da América Latina.

As enfermeiras também receberão aumentos substanciais, embora menores que os médicos e dentistas. Uma enfermeira especialista passará de 562 pesos (22,5 dólares) a 940 (37,6 dólares), disse o Granma.

O aumento beneficia todos os trabalhadores da saúde, mais de 440 mil, 9% da população economicamente ativa cubana, de cinco milhões de pessoas. Cuba tem a maior quantidade de médicos por habitantes do mundo, segundo a ONU (Organização das Nações Unidas).

Segundo o Escritório Nacional de Estatísticas, Cuba tinha 82 mil médicos, 14 mil dentistas e 92,1 mil enfermeiros no fim de 2012, todos eles funcionários estatais.

Este aumento havia sido anunciado por Raúl Castro no dia 23 de fevereiro, ao encerrar um congresso sindical, no qual descartou alegando ser “irresponsável e com efeitos contraproducentes” um aumento “generalizado dos salários no setor estatal” enquanto a economia nacional não melhorar.

Médicos no exterior

Na ocasião, Raúl destacou que um aumento para os médicos era justificado “porque a receita fundamental do país neste momento obedece ao trabalho de milhares de médicos no exterior”.

Mais de 50 mil médicos e paramédicos cubanos trabalham em 66 países – entre eles Venezuela, Brasil e África do Sul –, o que constitui a principal fonte de renda da ilha comunista.

O Granma declarou nesta sexta-feira que a exportação de serviços médicos fornecerá neste ano a Cuba o valor recorde de mais de 8,2 bilhões de dólares, o que supera a exportação de produtos, de cinco bilhões anuais.

O governo também aumentou os pagamentos salariais em dólares aos médicos e paramédicos que trabalham em missões no exterior, que conservam seu posto e salário na ilha.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo