Milícias pró-Rússia tomam base naval na Crimeia

Por Nadia
forças pró-Rússia tomaram o controle de parte da base - Baz Ratner/ Reuters Forças pró-Rússia assumem parte de base naval ucraniana – Baz Ratner/ Reuters

Milícias a favor da Rússia tomaram o controle de parte de base naval ucraniana na Crimeia. Cerca de 200 militantes ocuparam o complexo em Sebastopol e expulsaram militares da Ucrânia. O ato acontece um dia depois da incorporação da península da Crimeia à Rússia, ratificada nesta quarta-feira pelo Tribunal Constitucional russo.

Na terça-feira, um militar ucraniano e um miliciano pró-Moscou morreram em uma tentativa de ataque contra uma unidade militar ucraniana em Simferopol, a capital regional.

Segundo o porta-voz da Marinha de Kiev, Sergui Bogdanov, não houve disparos na tomada da base pelos russos. “Não estão armados e não atiraram contra nós. Os oficiais estão dentro do edifício”, disse. “Apesar de termos autorização para utilizar armas como meio de defesa, não fizemos isto e nem o faremos”, completou.

Segundo a agência de notícias oficial russa “Itar-Tass”, os militantes hastearam uma bandeira russa na sede da Marinha ucraniana. Antes de entrar no local, eles protestaram diante do prédio e cortaram a cerca.

Ucrânia libera armas após morte de militar:

Os milicianos anunciaram a captura do comandante da base da Marinha, Serguei Gayduk. “Estava bloqueado e não tinha para onde ir. Foi forçado a sair e o levaram”, disse à imprensa Igor Yeskin, representante das tropas russas no local.

Pouco depois da ocupação, os soldados ucranianos abandonaram o edifício e um deles chorou ao ver a bandeira russa no local, ao invés da ucraniana. Outro grupo das forças pró-Rússia na Crimeia atacou a base Sul da Marinha ucraniana em Novoozerne, oeste da península, derrubando o portão com um trator, anunciou o porta-voz do ministério ucraniano da Defesa. Depois, os “soldados russos” pausaram em seu avanço, informou Vladislav Seleznev no Facebook. Segundo o porta-voz, os militantes estavam diante de militares ucranianos armados.

Também nesta quarta-feira, o Tribunal Constitucional russo validou por unanimidade a incorporação à Rússia da península da Crimeia, que decidiu de forma unilateral separar-se da Ucrânia. O tratado de incorporação, assinado na terça-feira pelo presidente Vladimir Putin, “está de acordo com a Constituição russa”, afirmou o presidente do tribunal, Valeri Zorkin. “A decisão foi tomada por unanimidade”, completou.

Tensão

Em mais um ponto de tensão, as autoridades da Crimeia anunciaram que proibirão a entrada em seu território do ministro ucraniano da Defesa e de um vice-primeiro-ministro, que informaram sobre a sua intenção de visitar nesta quarta-feira a península separatista.

O anúncio foi feito em Moscou pelo primeiro-ministro da Crimeia, Serguei Axionov. “Não são bem-vindos à Crimeia. Ninguém permitirá que entrem e nós os enviaremos de volta ao local de onde vêm”, disse Axionov à agência russa Interfax.

Poucos minutos antes, o governo ucraniano declarou que o ministro da Defesa, Igor Teniukh, e o vice-primeiro-ministro Vitali Yarema pretendem viajar nesta quarta-feira à Crimeia para “acabar com a escalada” na península, que decidiu pela separação da Ucrânia e pela incorporação à Rússia. “O primeiro-ministro ucraniano Arseni Iatseniuk pediu a Igor Teniukh e a Vitali Yarema que viajem à Crimeia para tentar resolver a situação e acabar com a escalada”, disse o ministro sem pasta Ostap Semerak.

Opinião: Boris acredita que Crimeia será da Rússia

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo