Yanukovich diz que ainda é o presidente da Ucrânia

Por Tercio Braga
Yanukovich foi destituído após três meses de violentos protestos populares | Andrew Kravchenko/Pool/ Reuters Yanukovich foi destituído após três meses de violentos protestos populares | Andrew Kravchenko/Pool/ Reuters

O líder deposto Viktor Yanukovich garantiu nesta terça-feira que continua sendo o legítimo presidente e comandante em chefe das Forças Armadas da Ucrânia, e conclamou os militares a contestarem “ordens criminosas” dadas por seus inimigos.

Leia também
• Russos são acusados de abrir fogo contra base na Ucrânia

Yanukovich, que fugiu para a Rússia no mês passado, atacou o “bando de ultranacionalistas e neofascistas” que substituiu o seu governo, e criticou os apoiadores ocidentais do novo Executivo.

“Quero perguntar aos clientes dessas forças sombrias do Ocidente: vocês ficaram cegos? Esqueceram o que é o fascismo?”, disse Yanukovich em Rostov-na-Donu, no sul da Rússia, onde fez sua segunda aparição desde a deposição, em 22 de fevereiro.

Yanukovich foi destituído após três meses de violentos protestos populares, desencadeados por sua decisão de rejeitar um acordo de livre comércio com a UE, levando em vez disso a Ucrânia a se aproximar economicamente da vizinha Rússia.

“Tenho certeza de que oficiais e soldados da Ucrânia… sabem o quanto vocês valem e não cumprirão suas ordens criminais”, disse Yanukovich, dirigindo-se aos novos governantes da Ucrânia e prometendo que eles serão responsabilizados pela morte de dezenas de pessoas durante as manifestações.

Também segundo Yanukovich, os atuais líderes da Ucrânia “querem incluir combatentes de organizações nacionalistas nas Forças Armadas, colocar armas nas suas mãos… desencadear uma guerra civil”.

O líder deposto qualificou de “ilegais e ilegítimas” as eleições marcadas para 25 de maio, e disse que voltará a Kiev “assim que as circunstâncias permitirem”.

Trata-se de uma promessa ousada por parte de um homem cuja autoridade foi desprezada pelo Ocidente e questionada pela Rússia, e que iniciou seu pronunciamento declarando apenas que continua vivo. Ao final, deixou a sala sem responder a perguntas.

Comentando o impulso separatista da região ucraniana da Crimeia, que parte da população e dos políticos deseja unir à Rússia, Yanukovich admitiu que a península está “se separando” da Ucrânia, e disse que a culpa é dos seus inimigos.

Yanukovich criticou também os planos dos EUA de ampliar a ajuda financeira à Ucrânia, e lembrou que há uma lei dos EUA que proíbe a ajuda a autoridades estrangeiras ilegítimas. Prometeu levar a questão ao Congresso e à Suprema Corte dos EUA.

“Vocês não têm o direito, segundo suas próprias leis, de darem dinheiro a bandidos”, afirmou.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo