Estados Unidos enviam caças a Polônia, anuncia Ministério polonês

Por Caio Cuccino Teixeira

Os Estados Unidos enviarão 12 aviões caça F-16 para a Polônia, que faz fronteira com a Ucrânia, antes da próxima quinta-feira, anunciou o Ministério polonês da Defesa neste domingo.

Leia também:
• Avião da Guarda de Fronteiras da Ucrânia é alvejado próximo à Crimeia

O secretário americano da Defesa, Chuck Hagel, e seu homólogo polonês, Tomasz Siemoniak, chegaram a um acordo sobre o envio de “uma unidade da Força Aérea americana”, segundo nota divulgada pelo Ministério. “A unidade estará integrada por 12 aviões F-16, aviões de transporte e 300 soldados”, disse o porta-voz da Pasta, Jacek Sonta.

“O envio começará no domingo e terminará na quinta-feira”, acrescentou a nota. Na última quinta, os Estados Unidos enviaram para a Lituânia quatro aviões F-15 para reforçar a vigilância do espaço aéreo báltico.

EUA não reconhecerão anexação da Crimeia, diz autoridade

Polícia bloqueia a entrada de edifício em protesto pró-Rússia na Crimeia | Konstantin Chernichkin Polícia bloqueia a entrada de edifício em protesto pró-Rússia na Crimeia | Konstantin Chernichkin

Os Estados Unidos não vão reconhecer a anexação da Crimeia pela Rússia se residentes votarem em referendo na próxima semana pela integração da região ao território russo, afirmou o oficial de segurança nacional dos EUA Tony Blinken, neste domingo.

Autoridades da Crimeia convocaram para 16 de março um referendo para confirmar que a região, que tem maioria formada por russos étnicos, é parte da Rússia. A votação foi marcada depois da deposição do presidente ucraniano, aliado de Moscou, no mês passado.

Tony Blinken, vice-conselheiro de segurança nacional do presidente norte-americano, Barack Obama, afirmou em entrevista à CNN que a Rússia ficará sob pressão internacional cada vez maior como consequência do referendo.

“Primeiro, se houver uma anexação da Crimeia, um referendo que transfira a Crimeia da Ucrânia para a Rússia, não vamos reconhecê-lo nem a maior parte do mundo vai”, disse Blinken.

“Segundo, a pressão que já exercemos em coordenação com nossos parceiros e aliados vai crescer. O presidente deixou muito claro ao anunciar nossas sanções, assim como fizeram os europeus outro dia. Isso é o primeiro passo e colocamos em ação um mecanismo muito flexível para aumentar a pressão, aumentar as sanções”, afirmou.

Protesto pró-Rússia em Donetski, na Ucrânia | Konstantin Chernichkin/Reuters Protesto pró-Rússia em Donetsk, na Ucrânia | Konstantin Chernichkin/Reuters

Obama afirma que um referendo na Crimeia viola a lei internacional e a Constituição da Ucrânia. Na semana passada ele anunciou sanções que incluíram proibição de viagens e congelamento de ativos de indivíduos tidos como responsáveis pela intervenção da Rússia na Crimeia. O presidente russo, Vladimir Putin, não estava entre os indivíduos.

Forças russas tomaram o controle da península da Crimeia, crucial para Moscou como porto de águas quentes que abriga sua frota naval no Mar Negro. A ocupação não foi marcada por confrontos violentos, mas elevou as tensões com o Ocidente para o maior nível desde a Guerra Fria.

Putin diz a Merkel e Cameron que referendo é ‘legítimo’

O presidente russo Vladimir Putin conversou, neste domingo, por telefone com a chanceler alemã Angela Merkel e o premiê britânico David Cameron. Durante a conversa, Putin afirmou que as autoridades pró-russas da península ucraniana da Crimeia são “legítimas”. E que o referendo do próximo dia 16 sobre a anexação da região à Rússia está em conformidade com o direito internacional.

Otan anuncia apoio à Ucrânia e pede que Rússia recue

Neste domingo, os Estados Unidos voltaram a dizer que não vão reconhecer o resultado do referendo sobre a integração da Crimeia ao território russo. A Otan também anunciou que apoia a Ucrâ. E espera que a Rússia cumpra com os compromissos internacionais e retire as tropas do território ucraniano.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo