Obama diz que referendo na Crimeia viola lei internacional

Por Tercio Braga
Obama determinou que envolvidos com a intervenção russa na Crimeia sejam proibidos de viajar aos EUA e tenham congelados seus bens em território norte-americano | Jonathan Ernst/Reuters Obama determinou que envolvidos com a intervenção russa na Crimeia sejam proibidos de viajar aos EUA e tenham congelados seus bens em território norte-americano | Jonathan Ernst/Reuters

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse nesta quinta-feira que uma proposta de referendo na Crimeia para que a península ucraniana se junte à Rússia viola o direito internacional e afirmou que as sanções norte-americanas têm objetivo de fazer a Rússia pagar o custo pela intervenção na Ucrânia.

Leia também
• Ativistas do Femen são detidas em protesto na Crimeia
• Parlamento da Crimeia pede adesão à Rússia e anuncia referendo

“O referendo proposto sobre o futuro da Crimeia violaria a Constituição ucraniana e viola a lei internacional”, disse Obama a repórteres na Casa Branca.

“Qualquer discussão sobre o futuro da Ucrânia deve incluir o governo legítimo da Ucrânia”, disse ele.

Bloqueio norte-americano

Obama determinou que indivíduos envolvidos com a intervenção russa na Crimeia sejam proibidos de viajar aos EUA e tenham congelados seus bens em território norte-americano.

Em nota, a Casa Branca disse que a ordem executiva é “uma ferramenta flexível que nos permitirá sancionar aqueles que estejam mais diretamente envolvidos na desestabilização da Ucrânia, incluindo a intervenção militar na Crimeia, e não exclui outros passos caso a situação se deteriore”.

Além disso, o Departamento de Estado cassou os vistos de várias autoridades e indivíduos responsáveis ou cúmplices de ameaçar a soberania e a integridade territorial da Ucrânia.

Referendo é uma farsa, diz líder ucraniano

O presidente interino da Ucrânia disse que um referendo previsto pelo Parlamento pró-Moscou na Crimeia sobre a adesão à Rússia era ilegítimo, classificando-o como uma farsa e um crime organizado pelos militares russos.

Em um breve discurso televisionado, Oleksander Turchinov afirmou que o Parlamento ucraniano vai iniciar procedimentos para rejeitar a assembleia da Crimeia e bloquear o referendo.

“Não é um referendo, é uma farsa e um crime contra o Estado, que é organizado por militares da Federação Russa”, disse ele diante da bandeira nacional azul e amarela.

Loading...
Revisa el siguiente artículo