Renúncia do gabinete egípcio abre caminho para candidatura de marechal

Por Caio Cuccino Teixeira
Primeiro-ministro do Egito anunciou a renúncia do gabinete | Mohamed Abd El Ghany/Reuters Primeiro-ministro do Egito anunciou a renúncia do gabinete | Mohamed Abd El Ghany/Reuters

O primeiro-ministro egípcio, Hazem el Beblawi, anunciou nesta segunda-feira a renúncia do seu gabinete, abrindo caminho para que o marechal Abdel Fattah al-Sisi oficialize sua candidatura presidencial.

O primeiro-ministro disse em discurso transmitido ao vivo em rede nacional que seu gabinete “fez todos os esforços para tirar o Egito do túnel apertado em termos de segurança, pressões econômicas e confusão política”.

Ele não citou uma razão clara para sua decisão de renunciar. Mas, para que Sisi dispute a Presidência, ele precisaria deixar o cargo de ministro da Defesa. Uma fonte do governo disse que a renúncia coletiva ocorreu porque Sisi não queria transmitir a impressão de que estava agindo sozinho.

O Egito deve realizar eleições presidenciais dentro de poucos meses, cumprindo o “mapa” definido por militares depois da derrubada do presidente islâmico Mohamed Mursi, em julho.

A bolsa do Cairo registrou alta de 0,26 ponto percentual após a notícia da renúncia, revertendo assim perdas do começo do dia.

A derrubada de Mursi desencadeou a mais sangrenta crise política na história moderna do Egito. Nos últimos meses, as forças de segurança mataram centenas de seguidores da Irmandade Muçulmana, prenderam milhares e levaram seus líderes a julgamento.

A Irmandade acusa Sisi de ter comandado um golpe, e grupos de direitos humanos dizem que os abusos sob seu comando crescem a cada dia — acusações que o governo provisório instituído pelos militares nega.


Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo