Ex-líder da Ucrânia é procurado por "assassinato em massa"

Por george.ferreira

A Ucrânia inicia nesta segunda-feira as negociações para tentar se recuperar de três meses de revolta e confrontos violentos, que resultaram na destituição do presidente Viktor Yanukovytch no sábado.

Leia mais:

• Ucrânia corrige o curso em direção à União Europeia
 Ucranianos improvisam memorial para manifestantes mortos
 Aliado de Timoshenko assume governo interino na Ucrânia

Ao mesmo tempo, o Parlamento ucraniano se prepara para nomear um novo governo, no momento em que Yanukovytch, em paradeiro desconhecido, é objeto de uma ordem de prisão por “assassinato em massa de civis”.

A chefe da diplomacia europeia, Catherine Ashton, deve visitar Kiev nesta segunda-feira para debater com os representantes do novo governo as medidas que podem ser adotadas para acalmar o país e estabilizar a economia.

O ministro interino das Finanças, Yuri Kolobov, afirmou que o país precisa de 35 bilhões de dólares durante o período 2014-2015 e pediu ajuda aos países doadores.

Vídeo: presidente foi destituído no sábado:

“Nós pedimos a nossos sócios ocidentais a organização de uma grande conferência de doadores”, disse.

Durante o fim de semana, o governo dos Estados Unidos e o Fundo Monetário Internacional anunciaram que estavam dispostos a ajudar economicamente a ex-república soviética, que enfrenta a pior crise desde a independência em 1991.

O ministro britânico das Finanças, George Osborne, afirmou que a União Europeia (UE) também está preparada para dar seu apoio.

A revolta na Ucrânia teve início em novembro, quando Yanukovytch decidiu repentinamente dar as costas a uma aproximação com a UE para privilegiar um acordo comercial com a Rússia.

Na semana passada, os confrontos deixaram 82 mortos no país, 10 deles das forças de segurança.

O banho de sangue levou as novas autoridades de Kiev a abrir uma investigação criminal por “assassinato em massa de civis” contra Yanukovytch, anunciou o ministro interino do Interior, Arsen Avakov.

Os moradores de Kiev permaneciam reunidos no centro da cidade, em altares improvisados, para honrar a memória dos mortos.

De acordo com a Constituição, o novo presidente do Parlamento, Olexander Turchinov, ligado à líder opositora Yulia Tymoshenko, foi designado chefe de Estado interino.

Turchinov tem prazo até terça-feira para formar um governo de unidade nacional, que deve organizar as eleições presidenciais de 25 de maio.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo