Após protestos, Nicolás Maduro promete comissão da verdade

Por george.ferreira

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro anunciou neste domingo que pedirá à Assembleia Nacional a criação de uma comissão da verdade para esclarecer os acontecimentos das quase três semanas de protestos no país, que deixaram 10 mortos, mas rejeitou uma eventual mediação estrangeira.

“Vou pedir à Assembleia Nacional que forme uma comissão da verdade que investigue toda a violência que ocorreu, que investigue todas as denúncias sobre este golpe de Estado em marcha, que investigue todas as mentiras e manipulações nacionais e internacionais”, disse Maduro em uma entrevista ao canal multiestatal Telesur.

A Venezuela vivencia quase três semanas de protestos da oposição, liderados por estudantes, com um balanço de pelo menos 10 mortos.

Maduro acusa a oposição de organizar os protestos, com o apoio de grupos ultraconservadores dos Estados Unidos e Colômbia “para justificar a intervenção estrangeira na Venezuela”.

O presidente disse que a comissão poderia estar integrada por “venezuelanos de bem”, incluindo membros do clero católico, jornalistas e historiadores.

Maduro rejeitou uma eventual intervenção de outros países para solucionar o conflito político interno da Venezuela, como sugeriu no sábado (22) o secretário-geral da Organização dos Estados Americanos, o chileno José Miguel Insulza.

A Venezuela “não pode sofrer intervenção por nada, aqui entra quem nós convidamos. Insulza deve estar, como sempre, com a cabeça a incomodada pelas pressões em Washington (sede da OEA) e ele sabe que a OEA já passou, talvez, para a história”, disse Maduro.

O presidente também anunciou que o país se prepara para recordar, em 5 de março, o primeiro ano da morte de Hugo Chávez, que governou a Venezuela de 1999 a 2013.


Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo