Brasileiros devem evitar protestos na Venezuela, afirma Itamaraty

Por Caio Cuccino Teixeira
Apoiadores de Leopoldo Lopez, opositor do governo de Nicolás Maduro, protestam nas ruas de Caracas | Carlos Garcia Rawlins/Reuters Estudantes comandaram protestos na Venezuela nos últimos dias | Carlos Garcia Rawlins/Reuters

O Itamaraty orienta os brasileiros residentes ou de passagem pela Venezuela que evitem as aglomerações das grandes manifestações que têm ocorrido no país. De acordo com o Ministério das Relações Exteriores, não há qualquer registro de brasileiros envolvidos nos protestos, presos ou em situação semelhante.

Veja também
• Opositor do governo venezuelano, López fica preso até julgamento
• Venezuela repudia declarações de Obama sobre as manifestações

Segundo o Itamaraty, para brasileiros no país que tenham algum problema com autoridades e necessitem de assistência, a recomendação de praxe é de que entrem em contato com os consulados do Brasil. O país tem representações de assistência a brasileiros em várias cidades venezuelanas, entre as quais, a capital, Caracas; Ciudad Guayana; Puerto Ayacucho e Santa Elena de Uiarén.

Os endereços e telefones dos consulados podem ser consultados na página do Itamaraty na internet. De acordo com a última estimativa populacional das comunidades brasileiras no mundo, de 2012, a comunidade brasileira na Venezuela é de mais de 17 mil pessoas.

Manifestações no país

A Venezuela tem enfrentado nos últimos dias protestos populares – encabeçados por estudantes – que resultaram em confrontos diretos entre manifestantes e forças de segurança do governo que deixaram mortos e centenas de pessoas feridas. A onda de violência no país tem provocado preocupação por parte da comunidade internacional e diversas organizações; entre as quais as regionais Mercosul, Unidade das Nações Sul-Americanas e a Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos que se manifestaram sobre o assunto.

O Brasil informou, nesta terça-feira que acompanha com atenção os acontecimentos. Nesta quinta, o presidente Barack Obama condenou a violência no país e pediu que manifestantes presos sejam libertados.


Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo