Opositores e estudantes apoiam dirigente detido na Venezuela

Por Caio Cuccino Teixeira
Opositores se mobilizam em favor de Leopoldo López | Carlos Garcia Rawlins/Reuters Opositores se mobilizam em favor de Leopoldo López | Carlos Garcia Rawlins/Reuters

A oposição venezuelana e os estudantes convocaram para esta quarta-feira uma nova mobilização em apoio ao dirigente radical opositor Leopoldo López, que se entregou à polícia e será apresentado ante um tribunal, acusado pelas mortes de três manifestantes na semana passada.

Veja também
Miss venezuelana morre após tiro na cabeça durante protesto
Celac se preocupa com atos de violência na Venezuela

“Nesta quarta, vamos acompanhar Leopoldo, que é vítima de um processo judicial armado”, afirmou em coletiva de imprensa transmitida pela internet o prefeito de Caracas, Antonio Ledezma.

À convocação se uniram outros partidos políticos e líderes estudantis como Gaby Arellano, que em seu Twitter escreveu: “Nosso compromisso com #Venezuela continua, nos vemos amanhã 10am (11H30 de Brasília) no Palácio da Justiça ¡Não mais #RepressãoemVzla!”.

Detenção

Leopoldo López, líder do partido opositor Vontade Popular, entregou-se na terça-feira à Guarda Nacional Bolivariana em uma praça de Caracas. Ele era procurado pela Justiça venezuelana, que o acusa das mortes de três pessoas durante os protestos da semana passada. Ele estava foragido há uma semana.

O líder opositor apareceu por volta do meio-dia na Praça Brión, no bairro opositor de Chacaito (leste). Após um breve discurso a seus partidários, ele se entregou aos agentes, que o escoltaram até um veículo da guarda.

“Apresento-me à Justiça injusta, a uma Justiça corrupta”, declarou López, vestido de branco e com uma bandeira da Venezuela, sob os aplausos de milhares de partidários.

Após discursar a seus seguidores e pedir que se retirassem da praça de forma pacífica, López se dirigiu aos guardas nacionais com uma flor branca. A multidão tentou impedir a passagem do veículo que levava López, que – pessoalmente e com um megafone da própria polícia – pediu aos simpatizantes que deixassem os agentes trabalhar. Já dentro da viatura, voltou a pedir que todos ficassem calmos.

“Liberdade, liberdade!”, gritavam os manifestantes.

“Se a minha prisão servir para despertar um povo, para despertar definitivamente a Venezuela e para que os venezuelanos e venezuelanas que querem mudanças construam um caminho de paz e democracia (…) valerá a pena”, insistiu.

No Palácio de Governo e na frente da manifestação governista de trabalhadores petroleiros, o presidente Nicolás Maduro afirmou que “esse chefe político da direita venezuelana já está nas mãos do Ministério Público para responder por seus chamados à rebelião”.

“Nas próximas horas, o Ministério Público apresentará o cidadão Leopoldo López perante o Tribunal, com a garantia de todos seus direitos”, escreveu a procuradora Luisa Ortega Díaz em sua conta no Twitter.

O dirigente opositor será transferido para uma prisão militar fora de Caracas, e deve ser apresentado à Justiça ao meio-dia de quarta-feira, informou seu partido. López “passará esta noite ilegalmente na prisão de Ramo Verde”, declarou o Vontade Popular.

A mulher de Leopoldo López chamou de ilegal e abusiva a prisão do marido. Em entrevista exclusiva à BandNews FM, Lilian Tintori disse que o país vive um clima de insegurança desde que o presidente Nicolás Maduro assumiu o poder.

Ela relatou a existência de grupos armados do próprio governo nas ruas para coibir os protestos com violência. Lilian Tintori também lamentou a morte de uma miss baleada durante um ato em Valência.

“Violação flagrante”

A prisão do ativista foi considerada uma “violação flagrante” do devido processo judicial pela organização Human Rights Watch, em nota divulgada nesta terça.

“A detenção de Leopoldo López é uma violação flagrante de um dos princípios mais básicos do devido processo, o de que não podem prender você sem provas que liguem você ao crime”, afirmou o diretor para as Américas da HRW, José Miguel Vivanco, no comunicado.

Vivanco questionou que as autoridades não tenham fornecido provas, mas “apenas insultos e teorias de conspiração”, e ressaltou que a “única causa provável parece ser o fato de que López é um opositor”, completou a nota da organização americana.

“Mas, infelizmente, em um país sem um Poder Judiciário independente, isso pode ser suficiente”, acrescentou o texto, convocando a comunidade internacional a solicitar a “libertação imediata e incondicional” de López.

López, um jovem economista de 42 anos formado em Harvard e proibido pela Justiça de exercer cargos públicos, afirmou que nunca deixará a Venezuela e pediu uma “saída pacífica desse desastre”, em um país que vive uma grave crise econômica, com uma inflação de 56,3% e uma severa falta de alimentos e produtos de primeira necessidade.

A Justiça venezuelana emitiu uma ordem de prisão contra López, acusando-o de ser responsável pela morte de três manifestantes na quarta-feira passada durante confrontos entre opositores e a polícia.

Na terça, marchas da oposição e de partidários do governo transcorreram sem incidentes, mas marcaram um clímax depois de duas semanas de protestos universitários contra a insegurança e o desabastecimento no país, que Caracas atribui a uma interferência dos Estados Unidos para promover um golpe de Estado.


Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo