"Achava que ia ficar louco", diz náufrago salvadorenho

Por Caio Cuccino Teixeira
Pescador mexicano teria passado mais de um ano no mar | Reprodução/Daily Telegraph José Salvador Alvarenga foi resgatado após ficar mais de um ano no mar | Reprodução/Daily Telegraph

“Achava que ia ficar louco”, contou nesta segunda-feira a agências José Salvador Alvarenga, o salvadorenho que foi pescar tubarões na costa mexicana do Pacífico em dezembro de 2012 e apareceu na última quinta-feira nas Ilhas Marshall, depois de ter sobrevivido, segundo ele, comendo pássaros e tartarugas.

Veja também
Pescador salvadorenho é resgatado após ficar mais de um ano no mar

O pescador, com uma densa barba ruiva, disse ter zarpado no dia 21 de dezembro de 2012 do porto de Paredón (perto de Tapachula, no estado mexicano de Chiapas) em uma embarcação batizada de “Camaronera de la Costa”, uma lancha muito pequena, junto a um jovem chamado Ezequiel.

“La Chancha”, como era conhecido no México, foi reconhecido na segunda-feira pelos pescadores que trabalhavam com ele no município de Pijijiapan (Chiapas). Seus companheiros afirmam, inclusive, que ele foi pescar em novembro de 2012, e não em dezembro.

Mas para José Salvador e Ezequiel o dia de trabalho, pelo qual receberiam 1.500 pesos (110 dólares), se complicou quando começou a soprar, ao Norte, um vento muito forte.

A 70 quilômetros da costa e sem motor, eles começaram a ficar à deriva, relata Alvarenga, de 37 anos. Seu companheiro, de 15 ou 16 anos, morreu quatro meses depois, de sede e fome, porque vomitava e não conseguia se alimentar de animais crus.

“Aguentou quatro meses. Mas depois fiquei sozinho. ‘Meu Deus, quando vou sair, quando vai me levar?’, eu pensava”, relata o náufrago, que diz ter lançado o cadáver de seu colega ao mar.

À deriva no oceano

Começou então um périplo de mais de um ano no qual sobreviveu comendo peixe, quando havia, e bebendo água da chuva ou sua própria urina.

“Levantava esperando patos, pássaros que viessem a minha lancha”, lembra fazendo longas pausas, como se custasse a se lembrar do que viveu. Também se alimentava de tartarugas que se aproximavam da lancha.

“Pensava que ia ficar louco, que não ia conhecer as pessoas, eu pensava. Olhava para meu pai, olhava para a minha mãe, as minhas irmãs, mas eram imaginações”, explica o pescador, que passava horas “sentado, vendo o céu, vendo o sol”.

Sua fé em Deus o manteve vivo, garante, embora também tenha pensado em cometer suicídio. “Não pensava em morrer, pensava que ia sair forte. Mas, em duas ocasiões, quis me matar, agarrava a faca quando não havia água ou comida”, lembra.

Uma história com muitas perguntas

Sua história levanta muitas perguntas, começando pela de sua sobrevivência durante pelo menos treze meses em condições extremas, e seguindo por seu aspecto físico, relativamente saudável quando foi resgatado.

“Está melhor do que o esperado”, reconheceu o embaixador dos Estados Unidos nas Ilhas Marshall, Thomas Ambruster, um dos primeiros a vê-lo.

No entanto, existem precedentes, como o de três pescadores que em 2005 foram resgatados nas Ilhas Marshall nove meses depois de terem se perdido na costa mexicana.

José Salvador Alvarenga apareceu na última quinta-feira em uma praia do atol de Ebon, a 12.000 quilômetros da costa do México. Ele foi dormir e lembra que a primeira coisa que viu foi um coqueiro e, depois, uma casinha.

Foi localizado por dois moradores locais. Estava desorientado e vestia apenas uma cueca esfarrapada. “A primeira coisa que pensei era em comer, pensava em tortilha, ovo, frango, imaginava a comida”, lembra.

O náufrago também disse estar ansioso para ver a filha, chamada Fátima Maeva.

Como não falava inglês, se comunicou através de desenhos e gestos e depois foi levado a Majuro, a capital das Ilhas Marshall, onde está hospitalizado.

Sua mãe, que vive em El Salvador, o reconheceu na segunda-feira por fotografias.

“Agradeço a Deus por ver meu filho, acreditava que estava morto”, declarou à rede CNN María Julia Alvarenga, que vive com seu marido em Garita Palmera, 118 km a sudoeste de San Salvador.

“Só quero tê-lo aqui conosco”, explicou, à espera de que o filho volte para casa.


Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo