Sem acordo, Irã é excluído de negociação pela paz na Síria

Por Tercio Braga
Ban Ki-moon fez convite para o Irã participar de conferência, mas país não aceitou transição na Síria | Andrew Burton/Pool/ Reuters Ban Ki-moon fez convite para o Irã participar de conferência, mas país não aceitou transição na Síria | Andrew Burton/Pool/ Reuters

A ONU (Organização das Nações Unidas) cancelou nesta segunda-feira o convite feito ao Irã para que o país participasse da conferência pela paz na Síria, que vai ser realizada na quarta, devido à recusa iraniana em aceitar um governo de transição no país árabe, anunciou um porta-voz.

Martin Nesirky, porta-voz da ONU, afirmou que o chefe das Nações Unidas, Ban Ki-moon, está “profundamente desapontado” com as declarações do Irã rejeitando um comunicado adotado pelas potências internacionais pelo fim da guerra síria.

“Por ter optado por ficar de fora desse acordo básico, ele decidiu que o encontro de um dia em Montreux vai ser realizado sem a participação do Irã”, disse Nesirky em uma entrevista coletiva à imprensa.

O chefe da ONU convidou no domingo o Irã para participar da conferência de paz, conhecida como Genebra II, que vai ser realizada quarta-feira na cidade suíça de Montreux, provocando a rejeição da oposição síria e do governo dos Estados Unidos.

A oposição síria, que ameaçou não ir a Montreaux se o Irã estivesse presente, saudou a decisão da ONU e confirmou sua participação logo depois do anúncio das Nações Unidas.

Pouco antes da declaração da ONU, o representante do Irã na organização, Mohammad Khazaee, havia reafirmado a rejeição do seu governo ao comunicado adotado em Genebra, em junho de 2012.

“O Irã sempre apoiou a obtenção de uma solução política para esta crise”, indicou Khazaee em um comunicado. “No entanto, a República Islâmica do Irã não aceita precondições para a sua participação na conferência de Genebra II”, completou.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo