Manifestantes usam barricadas na Ucrânia após tentativa de desocupar região

Por talita

Milhares de manifestantes favoráveis à UE (União Europeia) resistiam, na noite desta quarta-feira, no centro de Kiev, onde levantaram barricadas na Praça da Independência, após a tentativa da polícia de choque de desocupar a região. Os manifestantes ocupavam a praça agitando bandeiras ucranianas e europeias para rejeitar a decisão do presidente Viktor Yanukovich de negar um acordo com a UE e manter sua proximidade com Moscou.

Diante das críticas da comunidade internacional e depois de reuniões com autoridades americanas e europeias, Yanukovich prometeu não recorrer à força contra as manifestações pacíficas ao mesmo tempo em que pediu diálogo com a oposição. “Para poder chegar a um compromisso, peço à oposição que não rejeite as conversações e não continue no caminho do confronto e dos ultimatos”, declarou Yanukovich em um comunicado.

Washington advertiu o governo ucraniano contra o emprego do exército para conter as manifestações. Em conversa por telefone com seu colega ucraniano, Pavel Lebedev, o secretário americano de Defesa, Chuck Hagel, destacou os “danos que poderia causar uma intervenção do exército para reprimir os protestos” em Kiev e pediu “moderação” às autoridades. Mais cedo, a porta-voz do departamento de Estado Jennifer Psaki revelou que Washington avalia a possibilidade de impor sanções à Ucrânia devido à repressão contra os manifestantes.

O primeiro-ministro ucraniano, Mykola Azarov, afirmou que as operações policiais estavam destinadas apenas à “limpeza das vias públicas cobertas de neve”.

Azarov assegurou que a entrada da Ucrânia na União Alfandegária proposta por Moscou não está sobre a mesa e afirmou que Kiev está disposta a assinar um acordo de associação com a UE se receber 20 bilhões de euros em ajuda para investimentos.

Na Praça da Independência, a oposição gritou vitória após o fracasso da polícia de choque de recuperar o controle do local. “Aqui é onde decidimos o destino da Ucrânia!”, lançou Arseni Yatseniuk, um dos líderes da oposição, a partir do palco instalado no centro da praça entre barracas e barricadas. “Conseguimos!”, declarou o líder nacionalista Oleg Tiagnybok. “O poder tem medo dos ucranianos!”, afirmou o líder do partido Udar, o boxeador Vitali Klitschko.

Intervenção

Os manifestantes reunidos na Praça da Independência receberam a visita da subsecretária americana de Estado, Victoria Nuland, que chegou a Kiev na véspera para tentar uma mediação depois de ter passado por Moscou. Nuland se dirigiu à praça após a visita ao local na terça-feira da chefe da diplomacia europeia, Catherine Ashton, que antes havia se reunido com o presidente ucraniano.

Nuland classificou de inadmissível a intervenção policial contra os manifestantes e assegurou que o país deve “salvar seu futuro europeu”, depois de também se reunir com Yanukovich. “Digo claramente que o que aconteceu ontem à noite é absolutamente inadmissível em um Estado democrático”, declarou Nuland. “Acreditamos que a Ucrânia ainda tem uma possibilidade de salvar seu futuro europeu”, acrescentou, afirmando que, para isso, será necessário retomar o diálogo com a Europa e o FMI.

Os Estados Unidos manifestaram seu desgosto e a UE sua tristeza depois que milhares de policiais de choque começaram na madrugada de quarta-feira a desmantelar as barricadas e a desalojar os manifestantes da Praça da Independência, ocupada há mais de duas semanas e palco de concentrações de centenas de milhares de pessoas.

“Condeno o uso da força e da violência – que não pode ser uma resposta às manifestações pacíficas – e peço para que se esforcem ao máximo em termos de moderação”, declarou em um comunicado a chefe da diplomacia da UE.

Apesar dos confrontos, que deixaram vários feridos nos dois grupos, os policiais agiram de maneira relativamente tranquila utilizando seu escudo para repelir a multidão. Onze manifestantes foram detidos, segundo a oposição.

20 bilhões de euros

No início da manhã desta quarta-feira, pouco depois da ação na praça da Independência, as forças de segurança tentaram recuperar a prefeitura de Kiev, situada perto da praça e ocupada pela oposição, que no domingo estabeleceu no local seu quartel-general.

Os policiais, que recorreram aos seus cassetetes, também precisaram deixar o local diante da hostilidade da multidão e depois de terem sido atingidos pela água de uma mangueira de incêndio a uma temperatura de 10 graus abaixo de zero.

Esta onda de protestos nasceu no fim de novembro, quando o poder ucraniano decidiu renunciar a um acordo de associação com a UE para se voltar em direção à Rússia.

Moscou ameaçou com medidas de represália e oferece bilhões de dólares à Ucrânia, ex-república soviética de 46 milhões de habitantes afundada em uma profunda crise econômica e financeira.

A oposição acusa Yanukovich de preparar em segredo a entrada da Ucrânia na União Alfandegária estabelecida por Moscou e que integra ex-repúblicas soviéticas.

Azarov afirmou nesta quarta-feira que o tema não está na ordem do dia de uma reunião entre o presidente ucraniano e seu colega russo, Vladimir Putin, prevista para o dia 17 de dezembro em Moscou. O primeiro-ministro repetiu que a Ucrânia não assinou o acordo de associação com a UE por razões exclusivamente econômicas e anunciou que Kiev está disposta a fazê-lo em troca de 20 bilhões de euros de ajuda europeia.

“Propomos que a União Europeia participe dos investimentos em projetos comuns mutuamente vantajosos, como a ampliação e a modernização dos corredores de transporte”, declarou, em clara alusão aos gasodutos que atravessam o país.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo