Nasa registra terceira forte labareda solar em dois dias

Por Tercio Braga
Ciclo solar está perto do seu máximo, por isso o aumento no número de explosões | Nasa/Getty Images Ciclo solar está perto do seu máximo, por isso o aumento no número de explosões | Nasa/Getty Images

O Sol emitiu uma labareda solar significativa, atingindo seu ápice nessa sexta-feira às 8h (horário de Brasília), informou a Nasa. Até o momento, foram identificadas três explosões solares. Segundo a Nasa, as labaredas solares são potentes explosões de radiação. Apesar de nocivas, não conseguem atravessar a atmosfera da Terra para afetar fisicamente os seres humanos. No entanto, a radiação, quando intensa o suficiente, pode perturbar a atmosfera na camada onde estão GPS (sistemas de posicionamento global) e satélites de comunicações.

O efeito das explosões pode causar interferência em rádio-telecomunicações, nas trajetórias dos satélites artificiais, em linhas de potência e mesmo na aurora boreal. Em consequência das explosões solares, sinais de rádio podem ser interrompidos em qualquer lugar do planeta por minutos até horas.

A agência espacial explica que o aumento do número de erupções são bastante comuns no momento, pois o ciclo de atividade normal de 11 anos do Sol está perto das condições máximas solares. O primeiro registro de labaredas solares do atual ciclo ocorreu em fevereiro de 2011.

De acordo com Observatório Astronômico Frei Rosário, da UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais), além da luz e do calor, o Sol emite um fluxo de partículas carregadas denominado vento solar. A velocidade de propagação desse fluxo hoje é estimada em cerca de 450 quilômetros por segundo. As variações no vento solar estão associadas às variações nas atividades das manchas solares e nas erupções de labaredas na superfície do Sol, também conhecidas como flares.

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo