Audiência de ativista brasileira do Greenpeace é adiada

Por Carolina Santos

Marcada para esta quinta-feira, a apelação de advogados do Greenpeace para que a brasileira Ana Paula Maciel possa responder à acusação de pirataria em liberdade provisória foi adiada. A justificativa dada foi um problema de tradução. Ainda não há uma nova data divulgada para a audiência. Até agora, a Justiça russa negou o pedido de liberdade provisória, sob fiança, a 15 pessoas. O grupo de 28 ativistas e dois jornalistas está em prisão preventiva desde 19 de setembro, após um protesto pacífico contra a exploração de petróleo no Ártico.

Às vésperas de se completar um mês da prisão, autoridades de todo o mundo começam a cobrar das autoridades russas o fim do impasse. Ontem foi a vez de a chanceler alemã Angela Merkel se manifestar sobre o caso. Em telefonema ao presidente russo Vladimir Putin, Merkel expressou preocupação com a situação dos ativistas e pediu uma solução rápida.

As manifestações públicas de apoio também continuam crescendo: nesta quinta-feira, 11 ganhadores do prêmio Nobel da Paz escreveram uma carta a Putin pedindo a liberdade do grupo. Os signatários – entre eles o bispo sul-africano Desmond Tutu e o ex-presidente da Costa Rica, Oscar Arias Sanchez – pedem que o presidente russo “faça tudo o que puder” para garantir que as acusações “exageradas” de pirataria sejam invalidadas. E que quaisquer outras acusações feitas “sejam consistentes com as leis russas e internacionais”.

“A exploração de petróleo no Ártico é uma atividade de altíssimo risco. Um eventual vazamento de óleo ali teria um impacto catastrófico em uma das regiões mais ricas, bonitas e preservadas do planeta”, escreveram. “O impacto de um vazamento sobre as comunidades que vivem no Ártico e sobre espécies de animais que já estão ameaçadas seriam devastadoras”.

A lista completa dos onze signatários da carta inclui: Desmond Tutu (África do Sul), Betty Williams (Irlanda do Norte), Oscar Arias Sanchez (Costa Rica), Jody Williams (EUA), Leymah Gbowee (Libéria), Tawakkol Karman (Iémen), Rigoberta Menchu Tum (Guatemala), Mairead Maguire (Irlanda do Norte), Shirin Ebadi (Irã), Jose Ramos Horta (Timor Leste), Adolpho Perez Esquivel (Argentina).

A campanha global pela libertação do grupo já recebeu o apoio de mais de 1,3 milhão de pessoas que escreveram para embaixadas russas.

Ana Paula está presa há um mês na Rússia/ Divulgação/ Greenpeace/ Reuters Ana Paula está presa há um mês na Rússia/ Divulgação/ Greenpeace/ Reuters
Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo