Evo Morales: Brasil deve mandar senador de volta à Bolívia

Por Carolina Santos
De acordo com o presidente, a vida do senador nunca esteve em perigo na Bolívia | Gaston Brito/ Reuters De acordo com o presidente, a vida do senador nunca esteve em perigo na Bolívia | Gaston Brito/ Reuters

O presidente boliviano, Evo Morales, disse nesta quarta-feira, em entrevista coletiva no palácio do governo, que o Brasil precisa explicar a fuga do senador Roger Pinto Molina, que estava asilado, por vontade própria, na embaixada brasileira em La Paz, e deveria mandá-lo de volta a seu país para responder na Justiça a várias acusações de corrupção.

Na entrevista, Morales ratificou a decisão de lutar contra a corrupção pública e ressaltou que, conforme acordos internacionais, “devolver” o senador à Bolívia “seria a melhor forma de contribuir com esta luta.

Morales disse que espera uma resposta oficial do governo brasileiro à nota oficial enviada pela chancelaria boliviana. Ele também denunciou a ação de grupos conservadores do Brasil, que, segundo ele, querem o enfrentamento entre os governos boliviano e brasileiro. “Querem criar desconfiança”, disse.

De acordo com o presidente, a vida do senador nunca esteve em perigo na Bolívia. Se quisesse, Pinto Molina poderia, inclusive, se deslocar por qualquer região boliviana, embora estivesse proibido de viajar ao exterior, ressaltou Morales.

O senador deixou a embaixada brasileira, onde passou cerca de um ano e meio, na última sexta-feira, com o apoio do encarregado de Negócios (equivalente a embaixador provisório) do Brasil na Bolívia, Eduardo Saboia, que assumiu a responsabilidade pela operação.

Loading...
Revisa el siguiente artículo