Irmandade pede que egípcios saiam às ruas para Sexta-Feira dos Mártires

Por BAND
Exército se prepara para a ameaça da Irmandade Mulçumana | REUTERS/Mohamed Abd El Ghany Exército se prepara para a ameaça da Irmandade Mulçumana | Mohamed Abd El Ghany/Reuters

A organização Irmandade Muçulmana, que apoia o presidente deposto do Egito Mohamed Mursi, recomendou aos egípcios que saiam às ruas hoje. A entidade definiu o dia como Sexta-Feira dos Mártires e a convocação para que a população participe dos atos gera o temor de uma nova onda de violência. Na semana passada, em três dias, confrontos entre manifestantes e forças de segurança provocaram pelo menos 750 mortos. A Irmandade Muçulmana diz que o número de mortos é superior.

Os integrantes da organização também pediram aos seus seguidores que continuem a campanha de desobediência, lançada esta semana. Desde a destituição de Mursi, em 3 de julho, o Egito é governado interinamente por Adly Mansour, indicado pelas Forças Armadas, que controlam o país.

A convocação aos egípcios ocorre um dia depois de o ex-presidente Hosni Mubarak, deposto em 2011, ser transferido da penitenciária para prisão domiciliar em um hospital militar por ter expirado o prazo de detenção preventiva.

No último dia 16, manifestações de apoio a Mursi levaram a uma onda de ataques a quartéis da polícia e igrejas no país. Os protestos foram violentamente reprimidos pelas forças de segurança. Desde o dia 14, a polícia expulsou de forma violenta e sangrenta os acampamentos dos simpatizantes do presidente deposto nas praças Rabaa al Adawiya e Al Nahda, no Cairo

Conteúdo Patrocinado
Loading...
Revisa el siguiente artículo